Milionária canadiana condenada em caso de culto que envolvia escravas sexuais

A herdeira do império de destilarias Seagram, a canadiana Clare Bronfman, foi condenada a 81 meses de prisão na quarta-feira pelo escândalo envolvendo uma seita e escravos sexuais. Em 2019, a herdeira declarou-se culpada de fraude associada a pagamentos feitos com um cartão de crédito e de ter escondido um imigrante para ajudar a organização criada pelo guru Keith Raniere.

Em Junho de 2019, Raniere foi considerado culpado de manter um harém com cerca de 15 a 20 escravas sexuais, uma delas com 15 anos.

As escravas eram obrigadas a fazer sexo com Raniere sempre que ele desejasse. Algumas foram marcadas com um símbolo que representa as iniciais do guru: “Não há dúvida de que Raniere não teria sido capaz de cometer os crimes pelos quais foi condenado sem aliados poderosos como Bronfman”, defendeu o Ministério Público canadiano.

Os advogados de Bronfman, de 41 anos, pediram que a condenação da sua cliente fosse de três anos, com pena suspenda..

A defesa alegou que embora tenha confessado a sua responsabilidade em dois crimes, Bronfman não tinha conhecimento dos episódios de abuso sexual cometido por Raniere através de uma organização criminosa paralela à Nxivm – o “DOS” – que mantinha “amantes” e “escravos”.

Das seis pessoas acusadas neste escândalo, revelado em Março de 2018, Bronfman é a primeira a ser condenada.

Raniere, de 60 anos, afirma que as relações sexuais que mantinha com membros da seita eram consensuais e deve ser condenado a 27 de Outubro. As outras quatro pessoas declararam-se culpadas.

Entre elas está a actriz Allison Mack, da série de televisão “Smallville”, que se declarou culpada de extorsão e associação criminosa.

O escândalo Nxivm deu o mote a duas adaptações para a televisão e para o cinema: uma série de documentários, “The Vow”, na HBO, que insiste no lado não sexual da organização, e um filme de Lisa Robinson, “Escaping the Nxivm Cult”, 2019, sobre o depoimento de uma mãe que tentou tirar a sua filha da organização.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.