Nova Caledónia, um paraíso no Pacífico sem Covid-19

O território francês da Nova Caledónia, a 18 mil quilómetros de Paris, que se pronuncia no domingo sobre a  independência, é um dos poucos territórios do mundo que escapou à Covid-19. Os residentes da ilha vivem uma vida “normal”, conscientes de que “estão numa bolha”.

“Saímos, vemos os nossos amigos, vamos a espectáculos, sem máscaras e sem medidas de contigência”, diz à AFP Yoanna Wiard, diretora de recursos humanos de uma grande empresa.

“Claro, vivemos normalmente e sabemos a sorte que temos”, acrescenta ela, numa altura em que a pandemia do coronavírus já causou mais de um milhão de mortes em todo mundo.

“Não vai ver uma única máscara aqui”, confirma Viannick, de 46 anos, um indígena da Nova Caledónia que mora em Kumac. “Levamos uma vida praticamente normal, mas sabemos que paira uma espada de Dâmocles por cima da nossa cabeça”, reconhece.

Como todos os eleitores que se deslocam às urnas no domingo, Viannick votará “sem máscara” pela permanência, ou não, do território na esfera política de França.

No dia 4 de Novembro, foi organizado um primeiro referendo sobre o tema, que resultou na vitória do “não” à independência (56,7 por cento) para o arquipélago, localizado no Mar de Coral.

No território, de 270 mil habitantes, foram detectados até ao momento apenas 27 casos de coronavírus, todos importados. A Nova Caledónia foi o território francês onde o confinamento foi menor, com as restrições a manterem-se entre 24 de Março e 20 de Abril. Existe apenas um outro território completamente livre da covid-19, Wallis e Fortuna, também no Pacífico.

Além disso, todas as pessoas infectadas com covid-19 recuperaram, excepto o último paciente a ser detectado, identificado na última sexta-feira: uma pessoa da França metropolitana que foi colocada em quarentena durante 15 dias.

Desde 20 de Março, os voos internacionais foram drasticamente reduzidos. Todos que chegam são transferidos para hotéis, onde cumprem uma quarentena de duas semanas. Antes de partir do seu local de origem, o visitante deve realizar um teste de PCR, e um segundo antes de deixar o hotel.

O governo da Nova Caledónia, autónomo em questões de saúde, decidiu estender o dispositivo até 21 de Março de 2021: “Somos uma pequeno povoado gaulês que resiste. À nossa volta, o mundo está a testemunhar um recrudescimento do vírus e temos a responsabilidade de manter a Nova Caledônia nesta situação favorável”, explicou o presidente do governo local, Thierry Santa.

Férias lá dentro

Como resultado, “todos se viram obrigados a rever os planos de férias [de Dezembro ao início de Fevereiro]”, admite Yoanna Wiard: “Em vez de partir, os caledónios farão com que a economia viva”, acrescentou. “É obrigatório”, admite Viannick, que espera impacientemente o filho, retido desde Dezembro no Canadá, devido à falta de voos, para finalmente encerrar a quarentena.

“Nas tribos, sabemos que esse vírus é perigoso”, acrescenta Viannick. “Lavamos as mãos, tossimos afastados, os idosos estão muito protegidos. Se eu vir alguém que não conheço, não me vou aproximar”, acrescenta. “Somos geralmente muito emotivos. Adoramos nos abraçar, mas esse costume foi interrompido”, diz.

Para os kanak, a Covid-19 lembra a introdução, pelos ocidentais a partir do final do século XVIII, de outros vírus que causaram epidemias letais.

As zonas tribais proibiram desde Fevereiro qualquer navio de cruzeiro de atracar, apesar de serem uma fonte de receitas

Ainda assim, nos círculos económicos, há preocupação: 73 por cento das empresas locais registaram quedas na facturação nos últimos seis meses, conforme estudos da Câmara de Comércio e Indústria realizados em Agosto.

“Não temos visibilidade para o futuro”, lamenta o presidente da Federação das Indústrias, Xavier Benoist.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.