Morreu emir do Kuwait. Irmão assume o trono

O príncipe herdeiro Nawaf Al-Ahmad Al-Sabah foi nomeado na terça-feira chefe de Estado do Kuwait, sucedendo ao emir Sabah al-Ahmad al-Sabah, que morreu, aos 91 anos. Nawaf prestará juramento esta quarta-feira.

“Com grande tristeza e pesar, lamentamos a morte do xeque Sabah al-Ahmad al-Sabah, emir do Kuwait”, declarou o xeque Ali Jarrah al-Sabah, ministro encarregado dos assuntos reais, numa mensagem gravada e transmitida pela televisão. O governo decretou 40 dias de luto nacional pela morte do decano da diplomacia no Médio Oriente, numa região mergulhada em mais de cinco décadas de crises e conflitos.

Após ter sido internado no Kuwait, a 18 de Julho, o chefe de Estado, que assumiu o poder em 2006, delegou temporariamente parte dos seus poderes ao irmão, o príncipe herdeiro. O xeque Sabah morreu nos Estados Unidos da América, para onde viajou no final do mesmo mês com o objectivo de dar prosseguimento ao tratamento médico, informaram autoridades, que não revelaram a doença do emir. O monarca tinha-se submeteu a várias cirurgias desde 2002.

O xeque Sabah foi considerado o arquiteto da política externa do Kuwait moderno, grande aliado dos Estados Unidos e da Arábia Saudita, enquanto mantinha boas relações com o Irão, arquirrival destes dois últimos. Riad expressou condolências e o Irão elogiou “a moderação e calma” do emir.

Após a morte do sultão Qabus, de Omã, em Janeiro, a morte de Sabah pauta o desaparecimento de outro mediador influente, numa região marcada por tensões com o Irão e a disputa que estourou em 2017 entre o Qatar, de um lado, e a Arábia Saudita e os seus aliados, do outro. Neste litígio, Sabah adoptou um papel de mediação e pediu uma redução das tensões no Golfo.

As Nações Unidas elogiaram o dirigente “distinto, mundialmente reconhecido pela sua sabedoria, generosidade e pelos seus êxitos em matéria de construção do Estado e da diplomacia preventiva”. Os Emirados Árabes Unidos, o Egipto, o Líbano e o Qatar decretaram três dias de luto em homenagem ao emir: “Os mundos árabe e muçulmano perderam um dos seus dirigentes mais valiosos”, tweetou o presidente egípcio, Abdel Al-Sisi. Já o Bahrein lembrou o emir como um “dirigente sábio”. O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, destacou “o seu contributo para a estabilidade regional e a ajuda humanitária”.

A sua morte “terá um impacto profundo, devido ao seu papel como diplomata e mediador regional, mas também como uma figura unificadora no seu país”, disse Kristin Diwan, do Arab Gulf States Institute, com sede em Washington. “Os kuwaitianos apreciavam a sua capacidade de manter o emirado fora de conflitos e de rivalidades regionais.”

Estabilidade e normalização

O reinado de Sabah, no entanto, foi marcado por turbulências políticas: manifestações e detenção de opositores, além da queda do preço do petróleo, do qual o país depende.

Embora fosse considerado um liberal, especialmente pelas reformas económicas e sociais que realizou e pelos direitos das mulheres, Sabah descartou a liberalização dos partidos políticos.

A política do seu sucessor não deve se afastar muito da do xeque Sabah, mesmo numa época em que dois dos seus vizinhos – os Emirados Árabes e Bahrein – decidiram normalizar as suas relações com Israel, decisão que continua a ser impopular entre a sociedade kuwaitiana, que apoia o consenso que prevalecia até então e fazia da solução do conflito israelo-palestino a condição para qualquer normalização das relações.

Não há nenhum sinal de mudança de postura do Kuwait envolvendo a normalização, assinala Kristin Diwan, para quem “a prioridade dos dirigentes será a estabilidade interna” do Kuwait, onde eleições legislativas estão previstas para daqui a dois meses.

Nomeado príncipe herdeiro em 2006, o xeque Nauaf Al-Ahmad Al-Jaber Al-Sabah ocupou vários cargos importantes no governo de seu país. Quinto filho do xeque Al-Ahmad Al-Jaber Al-Sabah, que liderou o Kuwait de 1921 até sua morte em 1950, o xeque Nauaf era ministro da Defesa em 1990, ano da invasão do emirado pelas tropas iraquianas de Saddam Hussein.

Bagdad reagiu à morte do emir afirmando que ele soube deixar no passado a ocupação iraquiana, para apoiar o “novo Iraque” na era pós-Saddam Hussein, principalmente na sua luta contra o terrorismo.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.