Merkel denuncia tratamento cruel das minorias por parte de Pequim

A chanceler alemã, Angela Merkel, denunciou esta quarta-feira  o “tratamento cruel” por parte da República Popular da China, no que se refere às minorias, e manifestou a sua preocupação com a repressão a que estão sujeitos os activistas da oposição em Hong Kong.

Num discurso proferido perante deputados alemães na véspera de uma cimeira da União Europeia (UE) com a China, a chanceler destacou a importância de se abordar as questões de direitos humanos em qualquer diálogo com Pequim.

“É evidente que temos que deixar claras as nossas diferenças” nas reuniões com a China, disse Merkel, cujo país detém a Presidência semestral da União Europeia.

“Portanto, indicamos que estamos profundamente preocupados com os acontecimentos em Hong Kong. O princípio ‘Um país, Dois sistemas’ persiste, mas, com frequência, é enfraquecido”, acrescentou: “Vamos falar sobre isso, bem como sobre o tratamento cruel, em parte, dos direitos das minorias na China”, disse ela, enfatizando “as diferenças fundamentais” entre as sociedades chinesa e europeia.

Merkel não se referiu em concreto que minorias a preocupam, mas os defensores dos direitos humanos acusam Pequim de ter internado mais de um milhão de pessoas em campos de reeducação, principalmente da etnia muçulmana dos uigures.

A China alega que se trata de “centros de formação profissional”, destinados a ajudar a população a encontrar emprego e a fugir do extremismo religioso.

Em relação à situação em Hong Kong, os líderes europeus decidiram limitar, recentemente, as exportações de materiais utilizáveis para vigilância e repressão. A medida visa denunciar a aplicação da lei de segurança nacional imposta pela China à antiga colónia britânica, em Junho passado.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.