Macau perdeu 13 mil trabalhadores não residentes desde o início do ano

Desde o início do ano, Macau perdeu mais de 13.500 trabalhadores não-residentes. A redução drástica ficou a dever-se ao impacto económico da pandemia no território, que visou de forma mais severa os portadores do chamado “blue card”.

No final de agosto, o número de trabalhadores não-residentes era de 182.711, menos 13.827 em relação a 31 de Dezembro de 2019, de acordo com os dados divulgados esta sexta-feira pela Direcção dos Serviços de Assuntos Laborais.

O número registado pelas autoridades do território no final do mês passado representa ainda uma quebra de 9995 trabalhadores face ao período homólogo de 2019.

A RAEM foi um dos primeiros territórios a ser afectado pela Covid-19, apesar de ter controlado com sucesso os avanços da pandemia. Com a economia nominalmente paralisada, as concessionárias de jogo do território dispensaram milhares de trabalhadores e de colaboradores, a esmagadora maioria dos quais oriundos dos países do Sudeste Asiático.

Ainda assim, como estes números não contam para a taxa de desemprego porque os titulares deste visto têm de abandonar o território (salvo exceções), o desemprego em Macau é actualmente de 2,8 por cento.

O Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro semestre ‘encolheu’ 58,2 por cento, em comparação com o período homólogo de 2019, e a diminuição no segundo trimestre foi de 67,8 por cento, também em termos anuais.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.