Morreu Juliette Gréco, a “menina linda” da intelectualidade francesa

A grande estrela da música francesa Juliette Gréco, célebre intérprete de obras de Léo Ferré e Jacques Prévert, morreu a quarta-feira aos 93 anos, anunciou a sua família, em declarações à agência France Press.

“Juliette Gréco morreu na companhia dos seus familiares na sua amada casa em Ramatuelle, no sudeste de França. A sua vida foi extraordinária”, disse a família, num texto enviado à AFP.

Ícone francês, amiga de poetas e músicos, encarnou como poucos artistas o espírito do bairro artístico parisiense de Saint-Germain-des-Prés “Ela personificava a elegância e a liberdade (…) O seu rosto e sua voz continuarão a acompanhar as nossas vidas”, escreveu o presidente francês, Emmnauel Macron, num tweet.

“Paixão, combate, amor e diversão intensa”, dizia Juliette Gréco para resumir a sua própria vida.

Com as suas maçãs do rosto salientes, um olhar penetrante com olhos pretos sob os cabelos escuros e longas mãos que se moviam pelo vestido, a cantora impôs ao palco a imagem de uma dama de preto: “Sou um palhaça na vida e também gosto de rir. O maior atributo da sedução é o humor, a inteligência, a piada”, disse a artista há alguns anos.

Juliette Gréco nasceu em 7 de Fevereiro de 1927 em Montpellier, no sul da França. Após a separação dos seus pais, cresceu com sua irmã Charlotte nas imediações de Bordéus, na casa dos seus avós.

A sua infância foi melancólica e ela encontrou na dança o seu refúgio. A guerra obrigou a família a fugir para uma propriedade no Périgord, que serviu de lugar de passagem para a resistência aos invasores alemães.

Em 1943,  a sua mãe e a sua irmã foram deportadas e ela própria foi presa por uma dezena de dias. Gréco contou essa parte da sua vida na autobiografia publicada em 1983, “Jujuba”: “Escrever ‘Jujuba’ foi muito cruel para mim, muito violento. Eu gostava de escrever, mas não gostava de voltar a viver memórias que foram para mim dramáticas. Não queria que outra pessoa fizesse isso, eu escrevi, não tinha dúvidas”, explicou.

No final da guerra, com menos de 20 anos, o seu ar rebelde, a sua beleza e o seu visual seduziram intelectuais e artistas de Saint-Germain-des-Prés em Paris, bairro frequentado por Marguerite Duras, Jean-Paul Sartre, Simone de Beauvoir e animado por longas noites no mítico “Le Tabou”.

A juventude explode numa Paris livre, na qual o existencialismo nasce entre as paredes de clubes e cafés. Juliette Gréco conhece Miles Davis, com quem terá um caso.

Raymond Queneau e Sartre assinam seus primeiros sucessos como cantora, “Si tu t’imagines …” e “La Rue des Blancs-Manteaux”. Com o tempo, ampliou o seu repertório com Jacques Prévert, Boris Vian e Charles Aznavour.

A “menina bonita” apresentou-se no Olympia, templo da música francesa, pela primeira vez em 1954, e a consagração chegou.

Depois de um casamento relâmpago com Philippe Lemaire, com quem teve uma filha, Laurence-Marie (que morreu de cancro em 2016, mesmo ano em que Juliette Greco foi vítima de um acidente cardiovascular), na década de 1960 a francesa interpreta os maiores nomes da época: Serge Gainsbourg, Léo Ferré, Jacques Brel e Georges Brassens.

“Conheci as pessoas mais ‘maravilhosas’ possíveis”, reconhecia Gréco.

Actriz por vocação, actuou em “Bonjour tristesse” (1958), dirigido por Otto Preminger. Actuou na novela “Belphégor”, que a fez ter sucesso no pequeno ecrã, em 1965.

Juliette Gréco sobreviveu ao tempo e à moda. Em 2015 fez uma grande digressão de despedida, na qual comemorou  os seus 89 anos no palco do Théâtre de la Ville, onde teve grande sucesso em 1968, com “Deshabillez-moi”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.