Instituto australiano diz que existem 380 centros de detenção em Xinjiang

A República Popular da China tem 380 “centros de detenção suspeitos” na Região Autónoma Uigur Xinjiang, uma rede que cresceu com o fortalecimento da política securitária ,de acordo com dados publicados pelo instituto australiano Aspi, nesta quinta-feira.

Nesta vasta região semidesértica, há muito atingida por ataques atribuídos a membros da etnia uigur, as autoridades chinesas estão a reforçar o controlo na região em nome da luta contra o terrorismo.

Mais de um milhão de pessoas, principalmente muçulmanos, foram internados em “campos de reeducação”, de acordo com organizações de direitos humanos.

A República Popular da China diz que eles são “centros de formação vocacional” destinados a ajudar as pessoas a encontrarem trabalho e, dessa forma, mantê-las longe do extremismo religioso.

Na sua investigação, o Instituto de Política Estratégica (Aspi), com sede em Camberra, criado pelo governo australiano, afirma ter identificado, por meio de imagens de satélite, depoimentos, artigos de imprensa e licitações públicas na indústria da construção, “mais de 380 alegados locais de detenção” em Xinjiang.

Os investigadores consideram que os estabelecimentos, que teriam funções e tamanhos muito distintos, funcionam como “campos de reeducação”, “centros de detenção”, ou “prisões”.

O número representa um aumento de cerca de 40 por cento em relação às estimativas anteriores e “pelo menos 61 centros de detenção foram objecto de novas construções e ampliações entre Julho de 2019 e Julho de 2020”, de acordo com o estudo.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.