Esforço inglório. Pelo menos 380 baleias morrem na Tasmânia

Pelo menos 380 baleias-piloto que estavam encalhadas  numa baía da Tasmânia, sul da Austrália, morreram, apesar das tentativas de salvamento que foram feitas por dezenas de pessoas, anunciaram esta quarta-feira as equipas de emergência que acorreram ao local.

O número indica que a grande maioria dos 460 cetáceos encalhados na baía faleceu nas últimas horas: “Podemos confirmar que 380 cetáceos morreram”, declarou Nic Deka, director do Departamento de Parques e Vida Selvagem da Tasmânia. “Quase 30 continuam vivas e a boa notícia é que conseguimos salvar 50”, complementou o responsável.

Na segunda-feira, 270 baleias-piloto foram encontradas encalhadas. Desde então, equipas de resgate trabalharam incessantemente para tentar libertar os mamíferos de um banco de areia a que só se tem acesso por barco.

Outro grupo, de quase 200 baleias mortas, foi localizado esta quarta-feira graças a um voo de reconhecimento. Este é o pior incidente do tipo registrdo na Tasmânia, um estado insular da costa sul australiana.

Uma equipe de 60 conservacionistas, voluntários e trabalhadores de unidades locais de piscicultura participam nas operações de resgate dos cetáceos que ainda permanecem vivos. Os animais estão parcialmente submersos.

Os socorristas, que passaram os dois últimos dias em águas geladas e pouco profundas, conseguiram liberar 50 baleias, utilizando barcos equipados com sonares para guiar os cetáceos de volta para o mar aberto.

A operação prossegue,  numa luta contra o tempo para tentar salvar 30 outros animais: “É muito cansativo, física e emocionalmente”, afirmou Deka.

As causas dos encalhamentos massivos dos grandes cetáceos continuam por esclarecer. As 200 baleias encontradas nesta quarta-feira estavam a uma distância de entre sete e dez quilómetros do primeiro grupo. A área de busca foi ampliada para descobrir se mais cetáceos estão encalhados na região.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.