Acções do HSBC caem para o valor mais baixo dos últimos 25 anos

As acções do Hong Kong and Shanghai Banking Corporation desabaram esta segunda-feira e caíram para o menor valor em 25 anos pelo receio de que o banco, o maior do Reino Unido, seja incluído na lista chinesa de “entidades não confiáveis”. A lista agrega as empresas que são consideradas uma ameaça para a segurança nacional. O banco está a ser abalado por acusações de não denunciar supostas actividades fraudulentas.

As acções fecharam com uma perda de 5,33 por cento e caíram para os 29,30 dólares de Hong Kong nível, valor que já não era registado desde meados de 1995. Em causa está a preocupação dos investidores sobre a capacidade do banco de continuar a fazer negocio na República Popular da China e na vizinha  Região Administrativa Especial de Hong Kong.

A queda ocorreu depois de o jornal estatal chinês em língua inglesa Global Times ter informado que o banco poderá ser uma das primeiras empresas incluídas na “lista de entidades não confiáveis” de Pequim, uma medida retaliatória da República Popular da China contra sanções ocidentais.

O texto destaca o papel do HSBC na investigação de Washington sobre a Huawei, e a prisão no Canadá, a pedido dos Estados Unidos, da directora do grupo chinês, Meng Wanzhou.

A inclusão do HSBC na lista pode resultar em sanções que vão de multas a restrições de actividade ou da entrada de material ou funcionários na China: “Se a empresa figurar na lista da China como uma empresa pouco confiável, o que parece seguro, já que é um artigo do Global Times, o banco enfrentará muitas dificuldades para fazer negócios na China”, disse Banny Lam, do CEB International Investment Corp. à Bloomberg News.

Se tal não bastasse, o HSBC foi citado no domingo numa investigação jornalística que afirma que vários bancos permitiram a transferência de dinheiro resultante de actividade fraudulenta ao redor do mundo.

A investigação é baseada em milhares de “relatórios de actividades suspeitas” (SAR, na sigla em inglês) dirigidos aos serviços da polícia financeira do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos, o FinCen, por bancos de todo o mundo.

O Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ), responsável pela reportagem, afirma que o banco “continua a lucrar graças a actores poderosos e perigosos” nas últimas décadas.

O HSBC defendeu-se e afirmou que sempre respeitou as suas obrigações legais sobre a notificação de actividades suspeitas.

Num comunicado, o banco apresenta as denúncias do ICIJ como antigas e anteriores ao acordo concluído sobre o tema em 2012 com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos: “O HSBC é uma instituição muito mais segura do que era em 2012”, afirma.

O banco afirma que desde então reestruturou a sua capacidade de combate aos crimes financeiros em mais de 60 jurisdições.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.