Índia. Jornalista detido por espiar a favor da China

As autoridades indianas detiveram no sábado um jornalista, uma cidadã chinesa e um outro cidadão nepalês suspeitos de venderem informação confidenciais aos serviços secretos chineses. O anúncio foi feito no fim-de-semana pelo Executivo de Nova Deli.

Identificado como Rajeev Sharma, o jornalista foi detido na sequência de buscas à casa onde vive, na qual “documentos confidenciais relacionados com o Departamento de Defesa da Índia e outros documentos incriminatórios foram apreendidos”, disse o subcomissário da polícia, Sanjeev Kumar, num comunicado, citado pela agência espanhola Efe.

Sharma encontra-se em prisão preventiva desde 14 de Setembro e é suspeito de “trabalhar para funcionários dos serviços secretos chineses”, acrescentou o responsável pelas forças de segurança indianas

A polícia prendeu também Qing Shi, uma mulher de origem chinesa, e o nepalês Sher Singh, conhecido por ‘Raj Bohra’, por alegadamente fornecer “enormes quantidades de dinheiro” em troca de informação.

De acordo com uma nota de imprensa publicada pelas autoridades indianas, o jornalista confessou durante o interrogatório a sua participação no esquema de espionagem e a entrega de informações confidenciais a dois intermediários em Kunming (China), que identificou de Michael e George.

De acordo com a polícia de Nova Deli, o jornalista afirmou que tinha enviado vários relatórios aos intermediários em troca de “pagamentos onerosos”. Sharma, que trabalhava como free lance  e que escreveu artigos para um diário chinês entre 2010 e 2014, foi contactado pelos intermediários através da plataforma tecnológica LinkedIn e convidado a ir à China para supostas entrevistas com empresas de comunicação social, adianta a informação policial.

O jornalista “foi incumbido da tarefa de fornecer informação sobre questões como a entrada indiana na união Butão-Sikkim-Chinatri, incluído Doklam, o padrão da cooperação militar Índia-Birmânia”, bem como também a questão da fronteira entre a Índia e a China, entre outros.

De acordo com a polícia, o jornalista reuniu-se com os alegados agentes dos serviços de inteligência na China, Malásia e Maldivas, por várias ocasiões.

Um dos últimos encontros teve lugar em Janeiro de 2019, quando conheceu “George”, que se apresentou como “director-geral de uma empresa de media chinesa”, e que pediu que escrevesse temas relacionados com o Dalai Lama, por 500 euros cada artigo.

O dinheiro foi enviado através de Qing, que em conjunto com o cidadão nepalês era alegadamente directora de uma “empresa fantasma” relacionada com o sector farmacêutico, propriedade de outras duas pessoas que se encontram na China, referiu a polícia.

Sharma recebeu mais de 40.000 dólares em 10 entregas, entre Janeiro de 2019 e Setembro deste ano.

As detenções e acusações de espionagem acontecem no meio das tentativas da Índia e da China em avançar com uma desaceleração do impasse militar em que se encontram, por via dos canais diplomáticos, depois de meses de acusações de violações na fronteira e um confronto em que morreram 20 militares indianos.

Durante os meses de tensão, o Governo indiano ordenou o bloqueio de mais de 150 aplicações, a maioria chinesas, alegando que transmitiam subreticiamente dados dos utilizadores de forma não autorizada “para servidores localizados fora da Índia”, comprometendo a soberania do país.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.