Tailândia prepara-se para o maior protesto dos últimos anos

Alguns passaram anos na prisão por crimes de lesa-majestade, mas não atiram a toalha. Centenas de dissidentes tailandeses participam, neste fim de semana, em manifestações anunciadas como históricas, em apoio ao movimento estudantil que ousou enfrentar aquele que continua a ser o único tabu no país: a monarquia.

“A luta não terminou”, disse, entusiasmado, Somyot Prueksakasemsuk.

“Os nossos esforços continuam. As novas gerações descobriram a realidade (…) e pedem abertamente uma reforma da monarquia”, afirma.

Condenado em virtude do artigo 122 do Código Penal tailandês por crime de lesa-majestade, que castiga com severidade qualquer gesto de difamação contra a família real, este jornalista passou sete anos na prisão.

Apesar dos riscos, neste fim de semana, o activista de 58 anos vai associar-se às manifestações. Pelo menos 40.000 pessoas são esperadas nas ruas da capital tailandesa, de acordo com a imprensa local.

Trata-se da maior manifestação da oposição desde o golpe de Estado de 2014, que levou o actual primeiro-ministro, Prayut Chan-O-Cha – que depois ganhou as eleições – ao poder.

“Os tailandeses acordaram”

O movimento estudantil pede uma reforma da monarquia e defende, principalmente, que o rei não se deve intrometer em assuntos políticos. Os manifestantes reivindicam ainda a eliminação da lei sobre os crimes de lesa-majestade e exigem que a realeza devolva bens ao Estado.

Nada de similar foi visto até ao momento no reino, onde a monarquia parecia estar sempre acima da turbulência política que derrubou os sucessivos governos.

O objectivo destes estudantes não é acabar com a instituição, mas “modernizá-la e adaptá-la à nossa época”.

Os alunos também pedem o fim da perseguição dos membros da oposição, a dissolução do Parlamento junto  e a renúncia de Prayut Chan-O-Cha, bem como a reforma da Constituição, considerada muito favorável ao Exército.

O governo afirma que a lei de lesa-majestade não foi usada nos últimos anos, o que demonstraria o espírito conciliador do rei, que assumiu o trono no ano passado. Muitos militantes ainda são acusados, porém, de “sedição”, um crime que os pode levar à prisão por um período de sete anos.

Nos últimos dois anos, pelo menos nove militantes pró-democracia que fugiram da Tailândia após o golpe de Estado de 2014 desapareceram, de acordo com a ONG Human Rights Watch.

Nas ruas, em paralelo com o movimento estudantil, surgiram grupos de defesa da monarquia, o que multiplica a tensão.

Para Jatupat Boonpatararaska, conhecido como “Pai” e que esteve dois anos preso por criticar o actual rei, as ameaças deixaram de funcionar:

“Éramos considerados pessoas que não faziam parte da sociedade, mas esta ameaças deixaram de funcionar. Os tailandeses acordaram”, afirma.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.