Visita de Keith Krach a Taiwan irrita Pequim

Um membro do governo dos Estados Unidos da América chegou a Taiwan na quinta-feira no âmbito de uma visita que está a causar mal-estar na República Popular da China. Pequim acusa Washington de estar a “encorajar” os partidários da independência da ilha.

O sub-secretário de Estado para o Crescimento Económico, Energia e Meio Ambiente, Keith Krach, vai participar no sábado numa homenagem ao falecido presidente taiwanês Lee Teng-hui, adiantou a diplomacia norte-americana.

A visita à ilha de um alto funcionário do Departamento de Estado, a segunda no espaço de um mês depois da do secretário de Saúde, Alex Azar, irritou Pequim.

Wang Wenbin, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China, denunciou na quinta-feira uma visita que, no entender de Pequim, “vai encorajar os partidários da independência de Taiwan, fomentar a arrogância e a insolência”.

O governo chinês opõe-se a todos os encontros que, segundo Pequim, legitimam as autoridades de Taiwan, que considera uma província rebelde que Pequim quer recuperar, se necessário pela força.

A viagem ocorre num contexto de crescentes tensões entre a República Popular da China e os Estados Unidos da América sobre uma série de questões: da situação em Hong Kong a questões comerciais, passando pela covid-19.

“Os Estados Unidos prestam homenagem ao legado do presidente Lee, perpetuando os nossos fortes laços com Taiwan e a sua vibrante democracia, através  de valores económicos e políticos compartilhados”, sublinhou o Departamento de Estado num comunicado sobre a homenagem prevista para sábado.

Jantar com a presidente

O Ministério dos Negócios Estrangeiros de Taiwan disse que Krach, que chegou acompanhado do secretário adjunto do Gabinete para a Democracia, Direitos Humanos e Trabalho, Robert Destro, também deverá discutirá os meios para “reforçar a cooperação económica bilateral”, durante a visita de três dias.

Taipé apresentou Krach como a autoridade de mais alto nível do Departamento de Estado a visitar a ilha desde 1979. Naquele ano, os Estados Unidos  da América romperam relações diplomáticas com Taiwan para reconhecer o governo comunista, estabelecido em Pequim, como único representante da China.

Washington continua, ainda assim, a ser o aliado mais poderoso da ilha e o seu principal fornecedor de armas. A presidente taiwanesa, Tsai Ing-wen, vai receber a delegação americana para um jantar esta sexta-feira.

A viagem acontece um mês depois da visita do secretário de Saúde dos Estados Unidos, Alex Azar, à ilha para destacar a gestão taiwanesa da pandemia de covid-19, amplamente elogiada internacionalmente.

Na altura, a China lançou uma forte advertência a Washington: “Em relação às questões sobre os interesses fundamentais da China, algumas pessoas nos Estados Unidos não devem ter ilusões e não devem brincar com o fogo”, declarou a diplomacia chinesa. Pequim lembrou a oposição do seu país a qualquer contacto oficial entre os Estados Unidos da América e Taiwan, “qualquer que seja o pretexto”.

Alex Azar visitou o jazigo do antigo presidente Lee, que faleceu em Julho aos 97 anos, e elogiou o seu papel durante a transição democrática dos anos 1990.

A ilha, de 23 milhões de habitantes, e o continente são governados separadamente desde 1949, quando os nacionalistas do Kuomintang (KMT) se refugiaram em Taiwan, enquanto os comunistas de Mao Tsé-Tung tomaram o poder em Pequim.

Desde então, os dois Estados reivindicam, pelo menos em tese, soberania sobre todo o território chinês.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.