Hong Kong. Activistas pró-democracia alvo de assédio na Internet

Carol Ng já deixou de contar as ameaças e as mensagens em que é chamada de “barata” desde que seu número de telefone foi ilegalmente revelado através da Internet. Mas esta activista pró-democracia não se quer  deixar intimidar.

“Eles sabem que podem assustar as pessoas”, disse à AFP a presidente da Confederação de Sindicatos de Hong Kong. “Mas não tenho medo, porque trata-se das minhas liberdades e quero defendê-las”.

Uma coisa é certa: ela não está sozinha. Recentemente, o site HK Leaks intensificou a sua campanha de “doxing” – a prática de libertar informações pessoais de algumas pessoas para prejudicá-las – contra activistas pró-democracia.

O portal ainda está activo, apesar de ter sido alvo de uma ordem no ano passado do Comissário de Privacidade de Hong Kong para parar o assédio e de uma denúncia à polícia local.

O HK Leaks ataca moradores de Hong Kong que considera terem violado a nova e drástica Lei de Segurança Nacional, imposta por Pequim à antiga-colónia britânica.

Algumas semanas depois de o texto ter entrado em vigor, o HK Leaks revelou dados pessoais de pelo menos 14 pessoas, as quais acusa de infringirem a lei, de acordo com jornalistas da AFP.

Promovido por grupos ligados ao Partido Comunista da China e hospedado em servidores na Rússia, o  portal foi lançado em Agosto de 2019 e, desde então, assediou milhares de pessoas que apoiaram as enormes mobilizações pró-democracia no ano passado em Hong Kong: “Quando me atacaram, senti muito stress”, disse Ng à AFP. “Recebia ligações e mensagens dos ‘fitas azuis’ no Facebook”, explica, referindo-se à cor associada aos apoiantes de Pequim.

“De vez em quando, inundavam-me com uma enxurrada de mensagens no WhatsApp. Chama-nos de ‘baratas'”, revelou.

 Joshua Wong, Agnes Chow e Jimmy Lai

Hospedado  num servidor russo, o portal foi projectado para escapar à lei, de acordo com especialistas. Usa hosts anónimos e altera regularmente seu domínio.

O portal agora exibe uma janela pop-up, informando que “os manifestantes causaram a morte do Estado de Direito e da ordem na sociedade de Hong Kong” e que mais de 2.000 policiais e activistas pró-Pequim também foram vítimas de “doxing”.

Vários dos principais activistas pró-democracia, como Joshua Wong e Agnes Chow, estão listados na secção “terroristas da independência”, bem como o magnata dos meios de comunicação social Jimmy Lai.

Entre os 14 activistas acusados de violar a lei da segurança nacional, estão militantes como Tony Chung, Nathan Law e Ray Wong.

Tony Chung, de 19 anos, tornou-se a primeira personalidade política a ser processada sob a nova lei no final de Julho por promover a independência de Hong Kong por meio do Student Localism, um grupo co-fundado por ele em 2016 e dissolvido em Junho.

Co-fundador, com Joshua Wong, do também dissolvido partido Demosisto, Law fugiu para o Reino Unido no início de Julho por causa da lei.

De acordo com a imprensa oficial chinesa, Wong e Law são procurados por violarem a Lei de Segurança Nacional e por conspirarem com forças estrangeiras.

Joshua Wong, por sua vez, está convencido de que é alvo de uma campanha de assédio orquestrada por Pequim e Hong Kong: “Desde que recebi o estatuto de refugiado na Alemanha, o governo de Hong Kong está determinado a deter-me por todos os meios possíveis”, disse ele à AFP.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.