Covid-19. Famílias das vítimas procuram justiça contra o Estado chinês

As autoridades chinesas não têm poupado esforços para convencer o mundo de que a pandemia de covid-19 está contida no país, mas, quando os familiares das vítimas do coronavírus procuram justiça, são alvo de pressões e de silenciamento.

Zhong Hanneng viveu o pior dos pesadelos com que uma mãe pode ser confrontada quando a doença matou o seu filho em Fevereiro na cidade de Wuhan, onde o novo coronavírus emergiu pela primeira vez na recta final do ano passado.

A mulher, de 67 anos, quer que as autoridades locais respondam perante a justiça, por considerar que demorar a responder à pandemia depois de se terem apercebido dos primeiros indícios de que uma doença misteriosa estava a infectar dezenas de pessoas na cidade.

Pela frente Zhong tem, no entanto, um percurso repleto de obstáculos. As denúncias da demandante e de outros familiares de vítimas de Covid-19 foram rejeitadas e dezenas de pessoas terão sido intimadas pelas autoridades chinesas a abrirem mão de qualquer tipo de recurso.

Os advogados que se prontificaram a defender as famílias foram ameaçados de represálias.

Mas do que é que as famílias das vítimas acusam as autoridades ao certo? Os familiares dos que perderam a vida devido à doença afirmam que o governo minimizou o surto epidémico e procurou esconder, numa primeira fase, a propagação da doença.

A covid-19 matou quase 3.900 pessoas em Wuhan e provocou mais de 900.000 vítimas fatais em todo mundo: “Dizem que a epidemia foi uma catástrofe natural. Mas as consequências graves foram provocadas pelo homem, e as responsabilidades devem ser determinadas”, defende Zhong Hanneng. “Hoje, a minha família está completamente estilhaçada. Nunca mais poderei ser feliz”, desabafa.

Pelo menos cinco acções judiciais foram apresentadas no Tribunal Intermediário de Wuhan, de acordo com Zhang Hai, que perdeu o pai para a covid-19 e que coordena o grupo de famílias das vítimas.

 “Repletos de vírus”

Os demandantes pedem indemnizações no valor de dois milhões de yuans cada e ainda que as autoridades de Wuhan se desculpem publicamente.

O tribunal rejeitou as acções, porém, por razões de procedimento que permanecem obscuras, avançou com uma denúncia contra Yang Zhanqing, um activista chinês para os direitos das vítimas. Residente nos Estados Unidos, Yang coordena 20 advogados que estão a providenciar secretamente apoio às famílias.

O tribunal de Wuhan negou-se a responder a  perguntas colocadas pela AFP.

O coronavírus foi detectado em Dezembro. As autoridades não divulgaram as informações em tempo útil e os médicos e profissionais de saúde que começaram a alertar sobre a situação foram reprimidos pela polícia.

O Partido Comunista minimiza as eventuais responsabilidades que teve no processo e insiste que a origem chinesa do vírus ainda não está comprovada cientificamente. Ao mesmo tempo, continua a reclarmar vitória contra a pandemia no país.

Mas Zhong Hanneng não partilha de um tal entusiasmo. Zhong recorda que, em meados de Janeiro, as autoridades já tinham registado vários pacientes, mas, como não havia confirmação oficial de transmissão entre humanos, não emitiram qualquer alerta na cidade.

Por este motivo, Zhong e o filho Peng Yi, um professor de 39 anos, fizeram tranquilamente as compras para o Ano Novo Lunar, a principal festa chinesa, que aconteceu alguns dias depois.

“Não sabíamos que os autocarros estavam repletos de vírus. Saíamos todos os dias, sem máscara”, conta ela à AFP, numa casa de chá de Wuhan.

A 23 de Janeiro, as autoridades anunciaram o confinamento da população de Wuhan. Zhong e o filho ficaram doentes.

Zhong recuperou rapidamente, mas o estado de saúde do filho piorou. Durante dez dias, a família procurou desesperadamente um leito num dos hospitais da cidade. Todos estavam lotados.  Peng Yi só foi internado a 6 de Fevereiro.

Rumores

A família nunca mais o viu com vida. O jovem professor faleceu duas semanas depois: “Ele teve tanto medo, sozinho, sem a família ao lado”, conta a mãe, sem conter as lágrimas. “Será que ele chamou pelo pai? Será que ele chamou por mim? Nunca saberemos”, completa.

Zhang Hai, por sua vez, afirma que está convencido de que o pai foi infectado num hospital de Wuhan onde estava internado devido a outra doença. Se as autoridades tivessem alertado a população antes, nunca o teria internado, explica.

Actualmente, as autoridades fazem o possível para o desacreditar, afirma Zhang. Um rumor começou a circular de que ele faz parte de uma rede que se dedica a  enganar as famílias das vítimas: “Sabem que se eu conseguir apresentar uma acção judicial, muitas famílias também vão avançar para os tribunais”, afirma.

A autarquia de Wuhan também se recusou a responder às perguntas da AFP.

Após a rejeição da primeira acção, Zhang Hai tenciona apresentar outra à Justiça provincial. Apesar dos riscos, está disposto a seguir até ao Supremo Tribunal Popular em Pequim, o principal tribunal do país: “A minha motivação é o meu pai”, conclui.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.