Beckham, Che Guevara e Mickey. Tudo é possível nos templos tailandeses

Num templo de Banguecoque, divindades budistas misturam-se com estátuas de Che Guevara, do rato Mickey, David Beckham e Superman, uma abordagem mais lúdica da religião com o objectivo de atrair o maior número de visitantes possível.

O Wat Priwat Ratchasongkram está repleto de esculturas em mosaico coloridas de super-heróis que se misturam com David Beckham, o antigo astro do futebol inglês que segura um enorme Buda, com Che Guevara de charuto na mão ou ainda com Albert Einstein.

Mas também é um verdadeiro local de adoração com inúmeras divindades budistas. O facto de existirem esculturas de todos estas personalidades “não é contrário ao budismo”, estima Lakkana Cherlpichit, empresário de 53 anos que visita o templo.

Este edifício único no antigo Sião “também pode atrair turistas estrangeiros”, quando o país, cujo acesso tem sido muito limitado pela nova pandemia do coronavírus, reabrir, estima o visitante.

Na Tailândia, o budismo é praticado por 95 por cento da população e atinge muitos aspectos da vida quotidiana.

O país tem cerca de 40.000 templos e alguns permitem todos os tipos de fantasias.

Em Nakhon Pathom, a cerca de uma hora de Banguecoque, um antigo responsável pelo maior templo local mandou construir uma torre rosa de 80 metros em torno da qual um enorme dragão se enrosca em espiral. O edifício simboliza os 16 níveis do paraíso na mitologia budista.

O templo Saen Suk, situado a sul da capital, é, por oposição, uma representação do inferno – ou Naraka – com dezenas de esculturas representando o martírio dos pecadores.

Estes últimos são acorrentados e levados perante Phaya Yam, o deus da morte, que os condena a diferentes punições, dependendo dos erros cometidos.

A alguns, os corvos devoram as suas entranhas, outros são forçados a subir a árvores cobertas de espinhos, após cometerem adultério e as suas mãos estão constantemente ensanguentadas: “Acredito em algumas das coisas descritas aqui”, diz Suchart Klaoteaw, um vendedor ambulante que costuma visitar este templo. “Essas esculturas motivam-me a viver de uma maneira diferente”, afirma.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.