Registos de gripe sazonal com baixas recorde

As regras de distanciamento social global contra o novo coronavírus fizeram os índices de infecção de gripe atingir baixas recordes, mostram dados iniciais que parecem comprovar que as medidas estão a ter um impacto inédito nas doenças transmissíveis.

Na República Popular da China, onde as primeiras medidas de isolamento de larga escala foram adoptadas, dados relativos a doenças como a papeira, o sarampo e algumas doenças sexualmente transmissíveis  mostram que as novas infecções diminuíram consideravelmente, mas foram os indicadores relativos à gripe sazonal que tiveram o maior declínio.

As infecções relatadas mensalmente pelo Ministério da Saúde chinês caíram mais de 90 por cento desde o início do isolamento, de uma média de cerca de 290 mil casos por mês para 23 mil.

O sistema nacional da vigilância da gripe do Canadá também relatou “níveis excepcionalmente baixos” da doença, num relatório recente, assim como outros países que compilam estatísticas de vigilância de gripe semanalmente, como é o caso do Reino Unido e Austrália.

No seu relatório semanal mais recente, o portal de doenças infecciosas da Coreia do Sul registou uma redução de 83 por cento de casos, em comparação com o mesmo período do ano passado: “Temos visto as menores taxas de outras internações por infecções virais de todos os tempos para esta época do ano”, disse Ben Marais, especialista em doenças infecciosas da Universidade de Sydney e clínico da unidade pediátrica do Hospital Westmead. “Normalmente temos alas cheias de crianças com o peito congestionados nesta época do ano, no inverno… mas neste ano as alas estão essencialmente vazias”, disse.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que, anualmente e em todo o mundo, entre 3 milhões e 5 milhões de doenças graves e até 500 mil mortes estão ligadas à gripe sazonal.

Embora os especialistas digam que a diminuição de infecções de gripe tenha reduzido a pressão sobre os sistemas de saúde e o número de fatalidades decorrentes da gripe, também existe o temor de a redução inédita de casos ter um impacto negativo nos níveis de imunização nas próximas estações.

“Pode acontecer que, se não tivermos infecções nesta estação, possa haver mais pessoas vulneráveis na próxima estação, isso certamente é algo que teremos que monitorizar cuidadosamente”, disse Marais. “Esta estação passou longe de nós, parece.”

A Organização Mundial de Saúde disse num relatório recente que os dados de vigilância de gripe devem ser “interpretados com cautela” devido à capacidade limitada de alguns países para os compilar durante a pandemia.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.