Autocarro de “Into the Wild” com última paragem em museu do Alasca

O famoso autocarro que serviu como morada final do aventureiro Christopher McCandless, cuja história foi contada no filme “Into the Wild”, pode vir a ser preservado como peça de museu, de acordo com um plano agora revelado pelas autoridades do Alasca.

O Museu da Universidade do Alasca, em Fairbanks, ofereceu-se para acolher o autocarro, que foi retirado pelas autoridades estaduais do Alasca no mês passado do local onde permaneceu durante seis décadas perto do Parque Nacional  de Denali.

O autocarro, da década de 1940 era uma atração para os fãs do livro “Into the Wild”, de 1996, e do filme homónimo, de 2007. Ao longo dos anos, centenas aventuraram-se para passar uns dias no autocarro abandonado, onde McCandless ficou 114 dias antes de morrer de fome em 1992.

Muitos dos que faziam peregrinações ao local expõem-se a grandes riscos, razão pela qual o Estado a retirar o autocarro do trilho que ficou famoso por causa de McCandless.

Dois aventureiros afogaram-se durante a travessias de alguns dos rios da região. Outros foram resgatados depois de terem ficado feridos ou encalhados. Em Fevereiro, cinco turistas italianos, um com os pés congelados, foram resgatados e, em Abril, um turista brasileiro que se perdeu foi retirado da zona de helicóptero.

A oferta do museu permite que o Estado lembre todos aqueles que se recolheram no autocarro, evitando o “espectro de lucro” da tragédia, disse Corri Feige, comissária de recursos naturais do Alasca, em comunicado: “Acredito que dar ao Autocarro 142 um lar de longo prazo em Fairbanks pode ajudar a preservar e contar as histórias de todos aqueles para quem era, de uma forma ou de outra, um ideal “, afirmou Feige.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.