Donald Trump proíbe TikTok nos Estados Unidos

O presidente norte-americano, Donald Trump anunciou na sexta-feira que tenciona proibir a rede social TikTok nos Estados Unidos da América, após as autoridades norte-americanas  se terem mostrado preocupadas com a possibilidade da plataforma ser usada como ferramenta de espionagem por parte da China.

Em declarações aos jornalistas durante uma viagem no avião presidencial Air Force One, Trump largou uma nova bomba na frente de guerra contra a República Popular da China : “Em relação ao TikTok, vamos proibi-lo nos Estados Unidos”.

O TikTok, um aplicativo de vídeos muito popular entre os jovens e que pertence à ByteDance, uma empresa com sede na China, tem cerca de mil milhões de utilizadores no mundo.

A plataforma é objeto de uma investigação da CFIUS, a agência americana responsável por monitorizar se os investimentos estrangeiros não representam um risco para a segurança nacional.

Governantes e deputados norte-americanos expressaram nas últimas semanas preocupação com a possibilidade do TikTok ser usado pela China como  uma ferramenta de espionagem. A empresa responsável pela rede social nega qualquer vínculo com o governo de Pequim.

Steven Mnuchin, o secretário do Tesouro dos Estados Unidos da América, disse na quarta-feira que faria “recomendações” sobre a plataforma à Casa Branca nesta semana.

Segurança nacional em causa?

O TikTok teve que se defender de seus vínculos com a República Popular da China, onde a ByteDance possui um aplicativo semelhante mas com outro nome. A empresa sempre negou que compartilha informações com as autoridades chinesas e garante que não tem a intenção de aceitar pedidos nesse sentido.

Na sexta-feira, antes do anúncio de Donald Trump, alguns meios de comunicação americanos noticiaram que o presidente iria obrigar o grupo ByteDance a vender o TikTok. Alguns chegaram mesmo a aventar a possibilidade da aplicação poder vir a ser adquirido pela Microsoft.

De acordo com o jornal The Wall Street Journal e a agência Bloomberg, Trump estaria a prepara-se  para assinar uma ordem oficial para obrigar a empresa-mãe chinesa a abrir mão do aplicativo em nome da protecção da segurança nacional.

A rede social não quis comentar as informações sobre a suposta venda forçada, limitando-se a afirmar que “confia no sucesso do TikTok a longo prazo”: “Centenas de milhões de pessoas usam o TikTok para se entreter e ligar aos outros, incluindo a nossa comunidade de criadores e artistas que vivem graças à plataforma”, acrescentou o TikTok.

No entanto, em vez de vender, Trump anunciou a proibição da aplicação nos Estados Unidos, que terá entrado em vigor este sábado nos Estados Unidos da América.

O TikTok  tinha-se comprometido a adoptar um alto nível de transparência e a permitir o acesso aos seus algoritmos para tranquilizar utlizadores e reguladores: “Todas as actividades da empresa estão a ser analisadas com atenção e de forma racional. Devido às origens chinesas da empresa, estamos a ser escrutinados ainda com maior atenção. Aceitamos estas prerrogativas e este desafio”, disse esta semana o director executivo do TikTok, Kevin Mayer.

James Lewis, chefe do departamento de políticas de tecnologia no Center for Strategic and International Studies, acredita que os riscos de segurança inerentes à utilização do TikTok é “quase nulo”. Ainda assim, “parece que a ByteDance pode estar sob pressão de Pequim”, declarou.

A rede social também está na mira de outros países. A Índia colocou-a no topo de uma lista de 59 aplicações que proibiu no seu território a 30 de Junho, para “garantir a segurança e a soberania do ciberespaço indiano”.

O Paquistão, país muçulmano muito conservador, emitiu recentemente um “último aviso” à aplicação para que retire da sua plataforma conteúdos considerados “imorais, obscenos e vulgares”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.