Coreia do Sul. Líder de seita religiosa detido por boicotar combate à pandemia

O líder de uma seita religiosa da Coreia do Sul que esteve na génese da primeira vaga de infecções pelo novo coronavírus registadas no país foi detido este sábado por supostamente sabotar os esforços do governo sul-coreano para conter a pandemia de Covid-19.

Lee Man-hee, 88,  líder e fundador da Igreja Shincheonji de Jesus – frequentemente considerada uma seita – é acusado de fornecer às autoridades de saúde dados incorrectos e informações falsas sobre as reuniões do grupo.

O líder religioso preso no início deste sábado “depois de um Tribunal do Distrito de Suwon ter emitido um mandato de prisão às1:20 da madrugada”,  disse um porta-voz do tribunal à AFP.

Até 19 de Julho, mais de 5.200 coreanos directa ou indirectamente ligados à seita foram infectados com o novo coronavírus, 38 por cento de todos os casos confirmados no país, de acordo com o centro coreano de controle e prevenção de doenças.

A Shincheonji defendeu que os seus membros vão enfrentar um estigma social e discriminação se as suas crenças se tornarem conhecidas publicamente e dissuadiu alguns de responderem a perguntas judiciais.

Lee também é acusado de desviar 5.6 bilhões de won (US$ 4.69 milhões) de fundos da igreja e realizar eventos religiosos em instalações públicas sem autorização.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.