Pequim avisa Nova Deli que “corte económico” prejudica ambas as nações

A República Popular da China defendeu esta quinta-feira que as autoridades de Nova Deli estão a promover um “afastamento forçado” das duas economias, na esteira de um confronto numa região fronteiriça do Himalaia que matou 20 soldados indianos no mês passado. Um tal afastamento, sustenta Pequim, vai prejudicar ambos os países.

O embaixador chinês defendeu que sua nação não é uma ameaça estratégica à Índia e que a “ideia geral de que os países não podem viver um sem o outro permanece inalterada”.

O comunicado veio na esteira de medidas recentes de Nova Déli  que proibiam ou enfraquecerem interesses empresariais chineses, num dos maiores mercados do mundo. A fronteira continua tensa, com muito mais tropas do que o normal estacionadas na área.

“A China defende uma cooperação mutuamente benéfica e opõe-se e a um jogo de soma zero”, twitou o embaixador chinês, Sun Weidong. “As nossas economias são complementares, interligadas e interdependentes. Um afastamento forçado vai contra esta tendência e só levará a um desfecho mutuamente prejudicial.”

As autoridades de ambos os países, ambos detentores da bomba atómica, têm negociado com frequência para apaziguar a crise fronteiriça surgida depois do sangrento confronto registado a 15 de Jnho no Vale de Galwan, localizado na região indiana de Ladakh, quando as autoridades da Índia anunciaram que duas dezenas de soldados tinham sido espancados até a morte com o recurso a pedras e bastões.

As autoridades da Índia dizem ainda que as tropas chinesas ocuparam território indiano .A China diz que não violou a dividida fronteira e pediu à Índia que contenha as suas tropas na linha de frente.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros indiano disse numa conferência de imprensa virtual que o processo de desengajamento das tropas combinado pelos dois lados, ainda não foi finalizado e que outra ronda de conversações entre líderes militares será realizada em breve: “Esperamos que o lado chinês trabalhe com sinceridade  connosco para que a desmobilização e o apaziguamento se tornem possíveis e para a restauração plena da paz e da tranquilidade nas áreas de fronteira o mais cedo possível”, disse o porta-voz Anurag Srivastava.

Os analistas dizem que o pior confronto em décadas entre os dois gigantes provavelmente vai aproximar  a Índia ainda mais dos Estados Unidos, tanto estratégica quanto comercialmente.

A China e os Índia travaram uma  breve guerra fronteiriça em 1962. A China é uma aliada próxima do Paquistão, adversário de longa data da Índia.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.