Covid-19. Morreu o primeiro cão que testou positivo nos EUA

A family photo shows Buddy and 10-month-old Duke this past winter. The puppy, who tested positive for antibodies but never got sick, has been sleeping in all of Buddy’s old spots, the Mahoneys say. (Kholood Eid/National Geographic)

O primeiro cão que testou positivo para o novo coronavírus nos Estados Unidos morreu, de acordo com a informação divulgada esta semana pela revista National Geographic. O animal agonizou com sintomas semelhantes aos desenvolvidos pelos pacientes humanos que contraíram COVID-19.

Buddy, um pastor alemão de sete anos, ficou doente em Abril, na mesma época em que seu dono Robert Mahoney recuperou da doença. O animal parecia ter o nariz entupido e dificuldades para respirar e a sua situação clínica apenas se agravou com o passar das semanas e  dos meses.

Mahoney e sua esposa Allison, que vivem em Nova York, acabaram por sacrificar o cão a 11 de Julho, depois de o animal ter começado a vomitar coágulos de sangue, a urinar sangue e de ter deixado de andar.

O casal disse à National Geographic que teve dificuldades em confirmar a suspeita de que Buddy poderia ter sido infectado com o SARS-CoV-2. Muitos veterinários da região fecharam as portas devido à pandemia. Alguns mostraram-se cépticos quanto à possibilidade dos animais poderem vir a contrair o vírus e os testes, recorde-se,  estavam a ser  reservados para uso exclusivo em pacientes humanos.

Uma clínica veterinária acabou por confirmar o resultado positivo do animal e descobriu ainda que o filho de 10 meses do casal, que nunca chegou a adoecer, tinha anticorpos contra o coronavírus.

Os veterinários mais tarde verificaram também que Buddy provavelmente sofria de linfoma, o que levanta interrogações sobre se, assim como sucede com humanos, os animais de estimação com doenças preexistentes podem ser mais suscetíveis a formas graves de COVID-19.

Nem autoridades de saúde pública nem veterinários, no entanto, puderem oferecer muitas informações, já que não há dados suficientes sobre o vírus em animais. Apenas se sabe que a contaminação parece ser rara.

Robert Cohen, o veterinário que testou Buddy, disse à revista National Geographic que não tinha conhecimento ou experiência alguma para provar informações científicas sobre os efeitos  do coronavírus em cães. Além disso, a família acusa as autoridades norte-americanas de não se mostrarem muito interessadas em aprender com o caso.

A posição oficial da Organização Mundial da Saúde (OMS) é de que os animais de estimação provavelmente não transmitem o vírus a humanos. Porém, Shelley Rankin, uma veterinária da Universidade da Pennsylvania, acredita que são necessários estudos mais aprofundados:  “Se estamos a dizer ao mundo que a prevalência é baixa, temos que olhar para um número mais elevado” de animais que estiveram expostos ao vírus, defende a investigadora.

Doze cachorros e dez gatos testaram positivo para  o novo coronavírus nos EUA, de acordo com a National Geographic. Allison e Robert Mahoney querem que a história de Buddy seja ouvida.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.