Covid-19. Portugal desenvolve primeira máscara que inactiva o vírus

A colaboração entre várias empresas portuguesas e centros científicos e académicos permitiu o desenvolvimento de uma máscara que inativa o vírus que causa a Covid-19. A nova máscara foi testada pelo Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes, de Lisboa (iMM).

A máscara, chamada MOxATech, está à venda desde Abril, mas a sua capacidade de inactivar o vírus só foi agora confirmada por uma série de testes realizados pelo iMM, informaram no sábado em comunicado as entidades que integram o projecto.

Este equipamento de protecção, que possui um revestimento que neutraliza o vírus quando entra em contacto com o tecido, foi desenvolvido graças à colaboração entre o fabricante têxtil Adalberto, a MO, a Sonae Fashion, o centro de tecnologia CITEVE, o iMM e a Universidade do Minho.

Após uma bateria de testes conduzida pelo Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes chegou-se à conclusão de que “a máscara beneficia de um revestimento inovador que neutraliza o vírus SARS-CoV-2 quando este entra em contacto com o tecido, efeito que se mantém mesmo depois da realização de 50 lavagens”.

Pedro Simas, investigador e virologista do instituto, explica em nota de imprensa que “os testes à máscara MOxAdtech revelaram uma inativação eficaz do SARS-CoV-2 mesmo após 50 lavagens, onde se observou uma redução viral de 99 por cento ao fim de uma hora de contacto com o vírus, de acordo com os parâmetros de testes indicados na norma internacional”.

“De forma simplificada, estes testes consistem na análise do tecido após o contacto com uma solução que contém uma determinada quantidade de vírus, cuja viabilidade se mede ao longo do tempo”, adianta o especialista.

As máscaras, produzidas em Portugal, estão já a ser comercializadas por 10 euros no país e também em toda a União Europeia.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.