Escócia. Covid-19 fez disparar níveis de apoio à independência

James Henderson passou a maior parte de sua vida contra a independência da Escócia. Agora, com relutância, apoia uma Escócia independente.

O antigo engenheiro naval, de 71 anos, votou contra a Escócia deixar o Reino Unido durante o último referendo da independência, em 2014. Mas após o Brexit, a eleição do primeiro-ministro Boris Johnson e a pandemia do novo coronavírus, Henderson acredita que a Escócia estaria melhor caso fosse independente.

Aposentado, o ex-engenheiro naval vive em Helensburgh, uma cidade costeira no Estuário de Clyde, um lar improvável para nacionalistas escoceses. A área possui um dos maiores níveis de residentes ingleses que vivem na Escócia, e todos ali conhecem alguém que trabalha na base submarina nuclear de Faslane, um símbolo dos laços compartilhados que unem o Reino Unido.

A base é o segundo maior empregador local na Escócia e bandeiras do Reino Unido balançam nos jardins de alguns residentes. Caso a Escócia conquiste a independência, e os nacionalistas cumpram a promessa de remover os submarinos das suas águas, milhares de empregos estarão em risco.

Mas o nacionalismo escocês está a avançar em lugares como Helensburgh e em outros antigos redutos unionistas, um fenómeno que pode virar a balança a favor da ruptura da união política secular entre a Escócia e o restante do Reino Unido.

“A independência é provavelmente inevitável agora, não quero parecer dramático”, disse Henderson. “Apenas sinto que nos estamos a afastar e a Escócia pode-se  safar melhor sozinha”, defende.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.