Tudo a postos para a primeira missão chinesa a Marte

O foguetão está pronto e as últimas verificações estão a ser feitas. A República Popular da China  vai lançar uma sonda para Marte esta semana, uma missão complicada que reflecte as crescentes ambições espaciais de Pequim.

O lançamento está marcado para sábado, na ilha tropical de Hainão, conhecida pelas praias e hotéis de cinco estrelas. Mas o clima ou ventos desfavoráveis podem atrasar o evento.

A missão Tianwen-1 (“Perguntas ao céu-1”) transportará para o espaço uma sonda composta por três elementos: um orbitador de observação, que girará em torno do planeta vermelho, um módulo de aterragem e um robot por controlo remoto, encarregado de analisar o solo marciano.

A China não é a única nação que quer enviar uma sonda a Marte. Os Emirados Árabes Unidos enviaram a sua (“Esperança”) na segunda-feira e Estados Unidos vão lançar uma (“Marte 2020”) a 30 de Julho.

Os três países procuram tirar vantagem da actual distância entre a Terra e o planeta vermelho, a mais curta em 26 anos.

Para percorrer este longo trajecto, de aproximadamente 55 milhões de quilómetros – o equivalente a quase 5.000 idas e voltas entre Paris e Nova York -, a sonda chinesa necessitará de cerca de sete meses. Chegará ao campo de gravidade de Marte em Fevereiro de 2021.

A Tianwen-1 é “semelhante às missões Viking americanas de 1975-1976” em termos de “escala e ambição”, explica à AFP Jonathan Mcdowell, astrónomo no Centro Harvard Smithsonian para a Astrofísica, nos Estados Unidos da América.

Longe da feroz competição espacial entre os Estados Unidos e a União Soviética durante a Guerra Fria, a China recupera agora terreno a passos vistos.

As autoridades chinesas colocar o seu primeiro homem no espaço em 2003, fizeram pequenos robôs (os “coelhos de jade”) pousarem na Lua em 2013 e em 2019 e acabaram de rematar a constelação de satélites que dão corpo ao sistema de navegação Beidu, rival do GPS americano.

Uma era de mudança

A missão em Marte é a próxima grande etapa do programa chinês, que também prevê a construcção de uma estação espacial até 2022.

“O facto de a China se juntar à conquista de Marte mudará a situação actual, dominada pelos Estados Unidos desde há meio século”, destaca Chen Lan, analista do site Gotaikonauts.com, especializado no programa espacial chinês.

De acordo com especialistas, a experiência da China na Lua será muito útil para a missão a Marte.

De facto, das quarenta missões soviéticas, americanas, europeias, japonesas ou indianas lançadas ao planeta vermelho desde 1960, a maioria fracassou. Em 2011, a China tentou conquistar Marte com sua sonda Yingho-1, aclopada a uma nave russa, mas o projecto  acabou por colapsar.

Longe das estipulações, a China mostra-se cautelosa depois de ter registado alguns fracassos desde o início de 2020, com lançamentos frustrados e o regresso fracassado à Terra de uma cápsula espacial.

Os meios de comunicação chineses oferecem uma cobertura modesta dos preparativos e o lançamento do foguete Long Marche 5, que levará a sonda a Marte, não deverá ser transmitido ao vivo pela televisão.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.