EUA. Estudante presa por não fazer os trabalhos de casa

Centenas de estudantes da região de Detroit, no Estado norte-americano do Michigan, participaram em protestos em dezenas de escolas secundária e pediram a libertação de uma aluna que foi enviada para um reformatório por não ter feito os trabalhos de casa durante o período em que as aulas foram leccionadas à distância.

A estudante de 15 anos, identificada como grace numa reportagem da ProPublica que deu a conhecer a situação, permanecia em liberdade condicional por ter agredido a mãe e por ter estado envolvida num roubo. A organização, que se dedica ao jornalismo de investigação,  adianta que Grace – que sofre do Transtorno de Déficit de Atenção – fica facilmente distraída quando estuda em casa e acabou por não conseguir acompanhar o ensino à distância.

Um juiz de um tribunal do Michigan determinou a detenção de Grace em Maio, citando a incapacidade para fazer o trabalho de casa como uma violação da liberdade condicional. 

Na quinta-feira à tarde,  dezenas de manifestantes reuniram-se no Colégio Groves, no subúrbio de Beverley Hills, antes de se dirigirem até ao tribunal do condado de Oakland County e à representação regional do Ministério Público com faixas em que pediam “Liberdade para Grace”. 

Estudantes presentes na manifestação disseram à agência Reuters que o desempenho académico de Grace não é uma excepção, numa altura em que o país lida com a pandemia de coronavírus. 

“Muitas estudantes ficaram para trás em termos escolares este semestre, ninguém teve motivação para fazer nada pois os professores não estavam a ensinar e estávamos todos online. Eu conheço muita gente que não fez os trabalhos de casa”, disse Prudence Carter, 18, estudante do ensino secundário.

“Não me parece que o juiz ou quem trabalha no caso saiba como funcionam os prazos e notas e como as coisas estavam estruturadas durante o confinamento por causa da pandemia”, disse Geoff Wickersham, um professor de estudos sociais da escola à agência Reuters durante o protesto. “A meu ver, isto é uma injustiça gigantesca.” 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.