EUA. Festas “Covid” premeiam o primeiro a contrair o vírus

Estudantes do Alabama que testaram positivo para o novo coronavírus fazem “festas secretas” num jogo macabro em que ganha quem é infectado primeiro. A revelação foi esta semana feita pelas autoridades dos Estados Unida América, numa altura em que a pandemia ganha terreno no sul do país.

A notícia surgiu pela primeira vez na terça-feira, quando o chefe dos bombeiros do município de Tuscaloosa, perto da cidade universitária de Birmingham, confirmou os rumores durante uma reunião com os vereadores da autarquia:

“Fizemos uma investigação. Não só os consultórios médicos confirmaram a informação, como também nos foi dito pelo Estado de que estava na possa dessa informação”, disse Randy Smith, o responsável pela Brigada de Bombeiros de Tuscaloosa.

O Alabama, no sudeste dos Estados Unidos da América, é agora um dos novos focos da COVID-19 no país, juntamente com outros estados meridionais, como o Arkansas, o Arizona, o Texas, a Flórida e ambas as Carolinas.

A vereadora de Tuscaloosa, Sonya McKinstry, detalhou na semana passada ao canal ABC que se trata de festas em que o objectivo é contrair o vírus:

“Os promotores destas festas recolhem dinheiro num frasco e depois tentam ser contagiados por COVID-19. Quem for infectado primeiro ganha o frasco. Não faz sentido”, disse McKinstry. “Estão a infectar-se de propósito”.

A pandemia matou quase 130.000 pessoas nos Estados Unidos da América, mil das quais no Alabama, onde os casos aumentaram exponencialmente nas últimas duas semanas.

Nenhuma informação adicional sobre as  festas Covid foi divulgada. As autoridades não divulgaram a identidade dos jovens ou o número de eventos que podem eventualmente ter ocorrido. O Corpo de Bombeiros de Tuscaloosa não respondeu às perguntas da AFP.

Várias universidades estão localizadas em Tuscaloosa, sendo que a principal é a Universidade do Alabama.

Uma porta-voz disse à AFP na sexta-feira que a universidade “está ciente dos rumores sobre as ‘festas secretas’ há semanas”: “Realizamos uma investigação aprofundada e, apesar de não termos conseguido identificar nenhum aluno que tenha participado neste tipo de atividade, vamos continuar a monitorizar as informações que recebermos”, acrescentou.

O relato de Randy Smith não foi totalmente inócuo. Os vereadores de Tuscaloosa aprovaram o uso obrigatório de máscaras faciais depois do testemunho do bombeiro.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.