Coronavírus. Macacos infectados desenvolvem imunidade a curto prazo

A infecção pelo vírus responsável pela Covid-19 protegeu macacos de uma nova infecção 28 dias depois de terem contraído o coronavírus, aponta um estudo chinês publicado na quinta-feira pela revista “Science”.

A imunidade ao novo coronavírus após a primeira infecção, bem como por quanto tempo ela se prolonga, continuam a suscitar dúvidas no caso dos seres humanos, e será necessário esperar outras vagas da doenças e talvez meses ou anos, para saber se as milhões de pessoas infectadas pelo vírus ficaram ou não protegidas.

Investigadores da Peking Union Medical College conduziram uma experiência com macacos-rhesus, geralmente usados devido a suas semelhanças com o homem, para descobrir se os animais infectados desenvolviam imunidade a curto prazo.

Seis animais foram infectados na traqueia com uma dose de Sars-CoV-2. Os primatas desenvolveram sintomas leves a moderados e necessitaram de cerca de duas semanas para recuperar. Vinte e oito dias após a primeira infecção, quatro dos seis macacos receberam uma nova dose do vírus, mas, desta vez, à excepção  de um leve aumento de temperatura, “não apresentaram sinais de reinfecção com a mesma estirpe do Sars-CoV-2 no seu período inicial de recuperação”, assinalam os investigadores.

O pico de carga viral nos macacos foi atingido três dias depois da primeira infecção, descobriram os cientistas da Peking Union Medical College, que recolheram amostras com frequência. Graças às numerosas análises conduzidas. os investigadores observaram uma resposta imunológica mais forte após a primeira infecção, em particular com os chamados anticorpos neutralizantes, que bloqueiam o vírus, “o que pode ter protegido os primatas de uma reinfecção a curto prazo”.

Serão necessários novos estudos para saber por quanto tempo a barreira imunológica se mantém.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.