Estados Unidos cancelam venda de sistemas de defesa a Hong Kong

Os Estados Unidos anunciaram na segunda-feira que vão deixar de exportar sistemas de defesa sensíveis para a vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong. Washington responde assim às restrições anunciadas por Pequim, que adiantou ontem que vai impedir a entrada de quem tenha “prejudicado” Hong Kong.

“Não nos dá prazer nenhum avançar para esta decisão, que é uma consequência directa da opção tomada por Pequim de violar os compromissos que assumiu sob a Declaração conjunta sino-britânica registada pela Organização das Nações Unidas”, disse o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo. “Já não é  possível distinguir entre exportações controladas para Hong Kong ou para a China continental”, afirmou Mike Pompeo num comunicado.

O Departamento de Estado vai impedir todas as exportações para Hong Kong de material que integra a lista de armas controladas. O documento inclui desde munições avançadas a equipamentos militares, que podiam ser exportadas para o território vizinho apenas com a anuência do Governo e a aprovação do Congresso.

Antes, a China tinha anunciado a imposição de restrições à obtenção de vistos por parte de cidadãos americanos que “se comportaram ofensivamente” em relação a Hong Kong. A medida foi anunciada antes da aprovação de uma controversa lei de segurança nacional que Pequim tenciona impor em Hong Kong. O diploma foi esta terça-feira aprovado.

A lei pune a subversão e outros ataques contra o estado em Hong Kong. O território vizinho foi palco de grandes e às  vezes violentos, protestos pró-democracia no ano passado.

“Ardil” dos EUA

Na sexta-feira, a administração do presidente americano, Donald Trump, anunciou que vai restringir a atribuição de vistos a um número indeterminado de dirigentes e cidadãos chineses por infringirem a autonomia da vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong.

Em resposta, o porta-voz do Ministério Chinês dos Negócios Estrangeiros, Zhao Lijian, disse na segunda-feira que o “ardil” dos Estados Unidos da América “para obstruir a aprovação da lei de segurança nacional de Hong Kong nunca prevalecerá”: “Para visar as acções ilícitas anteriores dos Estados Unidos da américa, a China decidiu impor restrições de vistos a indivíduos americanos que se comportaram de maneira ofensiva em questões relativas a Hong Kong”, anunciou o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Estados Unidos, Reino Unido, União Europeia (UE) e o Alto Comissariado de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas expressaram preocupação com a lei, que poderá vir a ser usada para silenciar as críticas a Pequim. O Governo Central usa leis similares para calar dissidentes e opositores.

Pompeo disse que Washington vai restringir os vistos das autoridades chinesas, sem especificar nomes, por “eviscerar as liberdades de Hong Kong”.

As autoridades chinesas são “responsáveis, ou cúmplices, por minar o alto grau de autonomia de Hong Kong”, que Pequim tinha prometido manter antes de recuperar a soberania do território, em 1997, lembrou Pompeo.

Na semana passada, o Senado dos Estados Unidos da América aprovou uma lei que vai impor sanções econômicas às autoridades chinesas e a policias de Hong Kong que restrinjam a autonomia do território.

Zhao alertou nesta segunda-feira que os Estados Unidos “não devem rever, adiantar ou implementar projectos de lei negativos relevantes em relação a Hong Kong, muito menos impor sanções à China, caso contrário, a China tomará medidas firmes”.

Sete meses de protestos

No final de Maio, pouco antes da Assembleia Nacional Popular ter votad a lei da segurança nacional, Washington declarou formalmente que Hong Kong já não era uma politicamente autónoma face à República Popular da Chin .Pompeo considerou na altura que a República Popular da China não estava a cumprir as obrigações que tinha negociado com o Reino Unido.

A declaração norte-americana abriu caminho para a remoção, por parte de Washington, de privilégios de natureza financeira.

Hong Kong foi cenário no ano passado de sete meses consecutivos de protestos, que tiveram a sua génese contra um projecto de lei, abandonado mais tarde, que permitiria que residentes do território vizinho fossem extraditados para a China continental.

Mas os protestos transformaram-se numa revolta popular contra Pequim e em apelos por mais democracia.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.