Com a rede na garganta. População de golfinhos em risco ao largo de França

Os cadáveres de golfinhos estão a dar à costa no litoral Atlântico de França em quantidades tão grandes que as população locais do popular mamífero estão em risco, dizem biólogos marinhos que tem vindo a estudar o fenómeno.

A maioria dos animais morrem depois de serem apanhados pelas redes lançadas por traineiras e outras embarcações de pesca. As autópsias realizadas em cadáveres que foram recolhidos ao longo da costa mostram fracturas graves, como caudas e barbatanas partidas e ainda lacerações profundas na pele, feitas pelas redes. Alguns foram inclusive mutilados por pescadores que se descartam dos corpos depois de os libertarem das redes em que são apanhados: “Estamos a atingir taxas de mortalidade que ameaçam a sobrevivência da população de golfinhos na Baía da Gasconha, disse Morgane Perri, uma bióloga marinha radicada a Bretanha,  no oeste de França. “Ao longo dos três últimos anos, registamos mais de um milhar de óbitos ao longo de um período de quatro meses no Inverno”, complementa a investigadora.

Os golfinhos comuns são os mais afectados. Os cientistas estão convictos que os que são encontrados nas praias não são mais do que uma pequena fracção do número total dos que morrem ao largo da costa de França. O verdadeiro número, estimam os investigadores, poderá ser entre cinco a dez vezes mais alto. Os golfinhos são há décadas capturados em redes de pesca nas águas do Atlântico, na região da Europa ocidental. Mas os biólogos marinhos dizem que a subida no número de mortes registado ao longo dos últimos anos é o resultado da introdução de novas técnicas de pesca, nomeadamente ao emparalhemento de traineiras que varrem depois largas áreas do fundo do mar.

A lei francesa exige que os pescadores declarem todos os cetáceos que são capturados, mas Perri garante que a lei raramente é cumprida. O Comité Nacional dos Pescadores Marítimos não respondeu a pedidos de esclarecimento da agência Reuters.

A taxa de reprodução lenta dos golfinhos, que são mamíferos e, como tal, precisam de regressar à superfície para respirar, significa que a espécie é particularmente vulnerável a uma queda acentuada no número de exemplares, alerta o Observatório Pelagis, de La Rochelle.

Os modelos populacionais mostram que os números são estáveis, adianta Helene Peltier, uma investigadora do observatório: “Mas quando nos apercebemos do declínio, já será demasiado tarde”, alerta.

O grupo ambientalista Sea Shepherd quer que as traineiras sejam proibidas de recorrer a métodos de pesca de arrasto e que as autoridades estabeleçam melhores práticas de fiscalização. Avisos acústicos concebidos para repelir os golfinhos estão a ser testados em alguns barcos de pesca, mas os resultados não têm sido expressivos: “Não uma única solução miraculosa”, assume Peltier.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.