Fórum Macau pode ajudar a canalizar mais investimento chinês para os países lusófonos

O  português Rodrigo Brum, secretário-geral adjunto do Fórum de Cooperação Económica e Comercial entre a República Popular da China e os Países de Língua Portuguesa defendeu na sexta-feira que os países lusófonos devem procurar tirar mais proveito da organização no sentido de captar investimento externo chinês. O responsável deixou o repto num debate virtual promovido pela Câmara de Comércio e Indústria Luso-Chinesa.

“É evidente que Portugal tem todo o interesse, como qualquer dos países de língua portuguesa, em ter mais investimento chinês de raiz”, defendeu Rodrigo Brum durante um ‘webinar’ que discutiu o papel de “Macau e o futuro das relações económicas e comerciais entre Portugal e China”. “O Fórum Macau é uma ponte evidente que pode ser explorada para os contactos com a China, e não é segredo que Portugal gostaria de atrair investimento no sector automóvel ou das baterias, e esses contactos podem ser feitos através do Fórum, que recentemente visitou instalações nesse ramo, maiores do que as da Autoeuropa”, acrescentou o secretário-geral adjunto do Fórum Macau, citado pela agência Lusa.

Para o responsável, a promoção da Grande Baía – o colossal projecto que pressupõe a integração progressiva de Hong Kong, de Macau e de nove cidades da província de Guangdong – constituiu uma oportunidade incontornável para os investidores lusófonos: “Na região em que Macau está inserido, da nossa janela vemos o território do lado, é uma região imensa com um potencial enorme; tem dificuldades, sim, às vezes até de entendimento, mas é nesses casos que se pode usar Macau, não como uma plataforma logística, mas como um intermediário favorável”, salientou o responsável, concluindo que “há inúmeras hipóteses de negócios, não é fácil, mas os resultados compensam”.

Rodrigo Brum mostrou-se ainda favorável –  respondendo a uma questão do presidente da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Chinesa (CCILC), João Marques da Cruz –  à criação de mais fundos e plataformas para fomentar a relação entre a China e os países de língua portuguesa: “Há condições para criar novos fundos, o actual tem regras muito precisas de capital de risco que não interessa aos países menos desenvolvidos e aos países que não têm uma bolsa a funcionar, por isso o que há a fazer é criar novos fundos, como um fundo de desenvolvimento efetivo”, defendeu o diplomata, referindo-se ao Fundo de Desenvolvimento entre a China e os Países de Língua Portuguesa.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.