Hong Kong. Vigília por Tiananmen termina em confrontos e detenções

A vigília não autorizada que esta quinta-feira recordou, nas ruas da vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong, as vítimas do massacre da Praça da Paz Celestial, a 4 de Junho de 1989, terminou com confrontos entre activistas e as forças de segurança. A polícia prendeu vários manifestantes, informaram os meios de comunicação social de Hong Kong.

Pelo menos quatro pessoas foram detidas na zona de Mong Kok quando tentavam bloquear uma das principais artérias do mais populoso bairro de Kowloon.  Um dos agentes que procedeu às detenções terá ficado ferido, segundo anunciou a polícia.

A exemplo do que sucedeu em Macau, as autoridades de Hong Kong tinham avisado os activistas que as manifestações seriam consideradas ilegais, devido às restrições impostas no âmbito do esforço de contenção da pandemia do novo coronavírus.

As autoridades também impediram a passagem pelo edifício do Gabinete de Ligação, para onde se dirigiam vários ativistas do movimento pró-democracia.

Apesar de uma forte presença policial, milhares de pessoas saíram à rua na vizinha Região Administrativa Especial para evocar as vítimas do massacre. Os participantes agruparam-se em grupos reduzidos em respeito à distância de segurança e com o propósito de evitar aglomerações.

No Victoria Park, membros da Aliança de Hong Kong de Apoio aos Movimentos Democráticos Patrióticos da China, entidade que promoveu a vigília, acenderam velas e pediram a que se observasse um minuto de silêncio em memória das vítimas.

Desde 1990 que Hong Kong assinala a data do massacre com uma vigília, que em 2019 reuniu cerca de 180.000 pessoas.

Este ano a proibição das autoridades levou os organizadores a procurarem formas alternativas de recordar a data, designadamente partilhando imagens de velas acesas nas redes sociais.

Ao longo do dia, as igrejas católicas da cidade acolheram vários activistas para que estes pudesses acender velas e na Universidade de Hong Kong os estudantes renderam homenagem à Coluna da Infâmia, uma escultura de betão que representa 50 corpos retorcidos para recordar os que morreram na sangrenta repressão militar de Pequim contra os protestos estudantis.

As celebrações foram também marcadas por uma calma tensa, tendo em conta a recentemente aprovada Lei de Segurança para Hong Kong, que permite a Pequim proibir todos os atcos de “subversão contra o Governo” chinês na cidade.

O diploma visa “salvaguardar a segurança nacional” após quase um ano de protestos dos movimentos pró-democracia, em que se registaram dezenas de confrontos entre activistas e a polícia local.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.