A dádiva da coerência. Macau e Tiananmen

Se João AP fosse vivo, o mais certo é que encontrasse num alinhamento aziago dos astros a razão para tamanha turbulência. Quando se tomava de azedume, Júpiter conseguia enxamear de maldade a galáxia, mas o mais das vezes o dedo de J António P fazia mira ao beligerante do costume: o arruaceiro Marte, que, fulminado por todo o sempre por uma proximidade infernal ao Sol, se vingava sempre que podia com uma colheita invulgar de doenças, de banhos de sangue, de torrentes de lama, de ódio e irracionalidade, de egos inflamados e corações feitos. Se o comboio cósmico de 2020 descarrilou foi certamente, diria JA Pereira, porque Marte lhe sabotou a engrenagem.

Contra a fúria de Marte, sustentava, pouco mais havia a fazer do que exercer cautela, munir-se de paciência e apetrechar-se com uma carga insustentável de bom senso, que para as provações que o baderneiro astral costuma ter na manga, bom senso em dose certa não basta.

Quando o misterioso vírus que paralisou o mundo começou a ganhar terreno e se instalou, de armas e bagagens, no coração de todos e de cada um, tornou-se claro para muitos que a melhor forma de combater o vírus – o verdadeiro e o do medo – seria o de uma abordagem ponderada à imensidão do desconhecido que lhes batia à porta.  Só que, numa sociedade que se habitou a opinar sem reflectir e a consumir instantâneos de sabedoria com 140 caracteres, o bom senso é matéria rara. A sua escassez ficou, desde logo evidente, no desnecessário escarcéu que a recomendação do uso de máscara suscitou junto de muita e boa gente ou na irresponsabilidade deliberativa de que se acometeram boa parte dos Governos, a começar pelos de Portugal ou da vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong, que ao invés de elegeram a via simples do bom-senso, optaram por atirar gasolina para a fogueira da dúvida.

A história de como as autoridades responderam à ameaça do coronavírus está ainda para ser escrita, mas a narrativa actual, tomada que foi pela prevalência de uma única palavra – “desconfinamento” – parece querer onerar-nos à força, quem sabe se erroneamente, com a ideia de que a ameaça está em regressão e que o regresso à normalidade – mediante a adopção de procedimentos e regras nem sempre compreensíveis – não só é inevitável, como também de certa forma possível.

Se no pico da epidemia, quando os jornais se enchiam de pacientes entubados e de vítimas enterradas à pressa em valas comuns (cenário que no Brasil ainda é o pão nosso de cada dia), o bom senso se prefigurava como o mais valioso contributo que cada um poderia  dar para o desígnio comum “de aligeirar a curva”, no momento actual é lícito esperar de quem delibera que o faça com coerência, sob o risco de resoluções dissonantes, de medidas com dois pesos e duas medidas, poderem ser confundidas com inépcia política ou, no mínimo , com hipocrisia.

Em Portugal, onde os pergaminhos do combate à crise quase resvalaram para o autoritarismo líquido  e o estado de emergência fez aproximar em demasia as razões do Estado dos interesses do patronato, os jornais – sempre ávidos de polémicas estéreis – banquetearam-se com a luz verde, dada pelo Executivo, à Festa do Avante. A partir de 6 de Junho as praias terão lotação máxima, em certos jardins-de-infância as crianças só entram com estranhos chapéus dotados de hélices e os jogos da Liga são disputadas à porta fechada, mas não há planos para limitar o número de passageiros em voos comerciais e os espectáculos no Campo Pequeno podem contar, sem problemas, com duas mil almas incautas. As incongruências são tantas que os responsáveis pelo Sport Clube Marítimo instaram o Governo a autorizar o regresso dos adeptos aos estádios em prol “do bem-estar mental de todos”.

Os riscos das deliberações dissonantes são uma ameaça para a democracia , antes demais porque negam o princípio fundamental de que todos são iguais perante a lei, mas mesmo em territórios onde o modelo democrático não é particularmente estimado, como é o caso de Macau, a incongruência corre o risco de ser confundida com hipocrisia e não há hipocrisia sem ressentimento e falsidade.

A forma assertiva como a Região Administrativa Especial, sob a liderança de Ho Iat Seng, respondeu aos desafios suscitados pelo novo coronavírus, foi quase exemplar. Almofadado por uma reserva financeira de fazer inveja ao mais pródigo dos Executivos, o Governo escudou-se no bom senso que faltou e continua a faltar a muitos governantes (Alô, Bolsonaro!) e conseguiu que Macau navegasse de forma mais ou menos incólume por entre os sargaços da pandemia.

Há mais de cinquenta dias sem novos casos, ensimesmado e virtualmente arredado do resto do mundo, o território recuperou aos poucos a toada da normalidade, ainda que o Governo insista que os riscos persistem e se continue a nortear por uma abordagem cautelosa, sobretudo no que diz respeito à vivência colectiva dos espaços públicos. Nos espaços privados, porém, a conversa é outra. E é no confronto entre as orientações públicas e o usufruto da vida privada que a porca torce o rabo, que a cautela se torna farsa: piscinas públicas, pavilhões e campos de futebol continuam de portas fechadas, mas os ginásios e os banhos dos complexos residenciais privados operam sem limitações. Escolas, serviços públicos e Igrejas gastaram balúrdios na adaptação dos espaços a uma nova e incerta realidade, mas estudantes e residentes circulam em autocarros apinhados. Proíbem-se vigílias a céu aberto numa das mais amplas praças da cidade, mas basta entrar num qualquer restaurante de fast food para aferir o que o Governo também não ignora: os dias do bom senso fazem parte do passado.

Invocar o risco de infecção para não autorizar manifestações de cidadania e fechar os olhos a autocarros cheios ou a restaurantes a fervilhar de gente não é cuidado, é teatro. E num ano de excepção como 2020, em que o desordeiro Marte nada mais faz que semear o caos, os golpes de teatro – venham eles de onde vierem – não são mais do que crueldade e sarcasmo. E por falar em anos excepcionais, outro ano em que o diabo andou à solta foi o de 1989: caiu um muro, uma praça encheu-se de sangue e alguns dizem que se finou um século.

E o mal – ou o bem – dos anos de excepção é que são os mais difíceis de apagar da história.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.