Índia regista a pior praga de gafanhotos desde 1993

A Índia está a braços com a pior invasão de gafanhotos em mais de trinta anos. Os animais destruíram cerca de 50 mil hectares de plantações e terrenos de cultivo desde a chegada da praga, em Abril, ao estado do Rajastão, proveniente do Paquistão.

As autoridades indianas estão a recorrer a drones, a tractores e a veículos para perseguir a nuvem de gafanhotos e atacá-la com insecticida. “De oito a 10 nuvens, medindo em torno de  um quilómetro quadrado cada, estão activas em várias zonas do Rajastão e do estado de Madhya Pradesh”, declarou K.L. Gurjar, sub-diretcor da Locust Warning Organisation (LWO), departamento do Ministério indiano da Agricultura.

Outras nuvens, menores, estão activas nos estados de Maharastra, Gujarat, Punjab e Uttar Pradesh, onde têm ameaçado plantações, agravando a situação dos agricultores, já fragilizados pelo confinamento devido à pandemia do novo coronavírus.

Uma enorme nuvem aproximou-se na terça-feira dos bairros residenciais de Jaipur, capital do Rajastão, obrigando os residentes a fazerem barulho para impedir que os animais se aproximem das árvores e das casas. A praga destrói anualmente cultivos no Rajastão, perto da fronteira com o Paquistão, mas é pouco comum no interior do estado, assegura a LWO

A Índia não era atingida  por uma praga desta dimensão desde 1993. Originária do leste africano, a invasão foi favorecida pelas chuvas incomuns registadas no período que mediou entre Março a Maio: “Este ano, os gafanhotos estão a reproduzir-se 400 vezes mais do que o normal, devido às condições climáticas favoráveis criadas pelas chuvas e à actividade ciclónica crescente”, explicou Devinder Sharma, analista especializado em agricultura. “Os gafanhotos peregrinos destroem mais do que a seca e não afectam apenas as plantações. As árvores também se partem, devido ao peso dos animais.”

Uma nuvem com um quilómetro quadrado contém cerca de 40 milhões de gafanhotos, que consomem, num único dia, tanto alimento quanto 35 mil pessoas.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.