Solidão e falta de contacto social elevam risco de morte em 50 por cento

À medida que palavras como “quarentena”, “confinamento” e “distanciamento social” se tornaram parte do quotidiano de milhões de pessoas por todo o mundo por causa da pandemia do novo coronavírus, um novo estudo mostra que viver sozinho e ter pouco contacto com a família ou com amigos aumenta o risco de morte em quase 50 por cento.

Esta é a conclusão de um estudo médico realizado por investigadores alemães que acompanham mais de 4 mil pessoas há 13 anos, em média, e que será apresentado este sábado no congresso da Academia Europeia de Neurologia, que devia realizar-se em Viena, na Áustria, e que será realizado através da Internet.

Menos contacto, mais riscos

De acordo com o estudo, os que vivem isolados têm 44 por cento mais probabilidades de sofrer um problema cardiovascular, como um enfarte do miocárdio ou um derrame, do que aqueles que mantêm laços sociais fortes. Em geral, o risco de morrer por qualquer causa aumenta em 47 por cento.

A investigação indica também que a “falta de apoio financeiro” aumenta em 30 por cento o risco de se ter um enfarte do miocárdio ou qualquer outro problema cardiovascular: “A falta de apoio financeiro significa que não há ninguém que possa oferecer ajuda financeira ou que a ajuda dada por conhecidos não é considerada suficiente para resolver os problemas”, disse à agência Efe Janine Gronewold, investigadora do Hospital Universitário de Essen, na Alemanha: “O que este estudo nos diz é que ter relações sociais sólidas é muito importante para o coração, semelhante ao papel dos factores clássicos, como ter pressão arterial saudável, níveis aceitáveis de colesterol e peso adequado”, acrescentou.

Resultados preocupantes

Estes resultados são “preocupantes” e “de particular interesse no debate actual sobre a pandemia”, que deixou a vida social limitada, ressaltou a especialista.

O estudo isolou o factor de contatco social de outros riscos clássicos para o coração, como um estilo de vida pouco saudável devido ao tabaco ou à falta de actividade física, para não influenciar o resultado.

Os dados utilizados vieram de 4.316 pessoas com uma média de idades de 59,1 anos e começaram a ser recolhidos para este estudo entre 2000 e 2003. Os participantes começaram sem doenças cardiovasculares conhecidas e ficaram sob acompanhamento médico em média durante 13 anos.

No início do estudo foram recolhidas informações sobre os contactos sociais de cada participante, levando em conta se tinham parceiro, relacionamento com amigos e familiares próximos e filiação a organizações políticas, religiosas ou desportivas.

A solidão é pior entre os homens

“Ainda não entendemos por que razão as pessoas que estão socialmente isoladas têm resultados tão maus”, disse Gronewold. A investigadora que liderou o estudo considera que o contacto e o sentimento de ter alguém que possa ajudar em tempos difíceis é essencial para o “bem-estar psicológico”: “A sensação de estar integrado e de poder obter ajuda em tempos difíceis dá-nos segurança”, resumiu.

A investigadora afirmou ainda que a falta de apoio financeiro e o isolamento social tem consequências mais graves para os homens do que para as mulheres, mas reconheceu que este não é um aspecto que tenha sido analisado de forma sistemática.

Gronewold lembrou que é claro que ter recursos financeiros está geralmente ligado a uma melhor saúde, uma alimentação de melhor qualidade e um estilo de vida mais saudável.

Entretanto, como mostra o estudo, quando factores como rendimento, maus hábitos como tabagismo, ou sintomas como depressão são retirados da equação, aqueles com pouco apoio financeiro e poucos contactos sociais estão em maior risco de morrer.

O isolamento, além disso, é um factor de risco que não pode ser compensado por outros hábitos saudáveis, como o desporto: “Os resultados do nosso estudo revelaram que o desporto não compensava de forma significativa o risco de isolamento social. No entanto, ser membro de um clube desportivo pode aumentar os contactos sociais e, portanto, melhorar os resultados”, argumentou a investigadora.

Gronewold admitiu que os resultados a “surpreenderam” e pediu maior ênfase “no ambiente social na prevenção e tratamento de doenças”.

Embora seja cautelosa sobre como o confinamento e a distância social afectarão a saúde,  a investigadora considera que o novo coronavírus “certamente terá um impacto negativo”.

Gronewold salientou que já foi detectado um aumento de suicídios em todo o mundo devido à crise do coronavírus, mas que se devem aguardar outros estudos para avaliar com mais detalhes como o isolamento afecta a saúde mental e física da população.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.