Menus no ecrã e cápsulas para jantar. Os restaurantes no mundo pós-Covid

Com o relaxamento das medidas de confinamento a vida social é aos poucos relançada e o normal volta a prefigurar-se possível. Restaurantes, bares, museus e centros comerciais também se afiançam à normalidade. Mas de que normal estamos nós a falar?

No rescaldo ininterrupto de uma pandemia que parece inextinguível, há um pouco admirável mundo novo que se ergue. Não há restaurantes com filas ou tempo de espera. Agora, na era do coronavírus, o distanciamento social tornou o acto de comer fora de casa uma experiência substancialmente diferente. 

No Da Enzo, em Roma, os criados não distribuem cardápios pelos clientes. Oferecem, isso sim, um código que é possível escanear pelo telemóvel. Os clientes fazem as escolhas através do smartphones, depois de um menu se abrir no ecrã com as especialidades do dia. 

Os companheiros de refeição – desde que morem na mesma casa – podem comer ao redor de uma mesa à luz de velas dentro de uma cabine de vidros na margem de um dos famosos canais de Amsterdão, um conceito que está a ser testado pelo restaurante ETEN. 

Se a estratégia não funcionar, os clientes podem tentar comer dentro de um abajour transparente criado pelo designer francês Christophe Gernigon para proprietários de restaurantes que queiram proteger os seus comensais da emaça de contágio por Covid-19. 

Outros modelos no mercado assemelham-se às cabines para as visitas que existem nas prisões, disse Gernigon, facto que o levou a criar um cilindro de plástico transparente que fica pendurado no tecto do estabelecimento, uma cápsula com um formato muito semelhante ao de um abajour. 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.