Jaca, o super-fruto que enfeitiçou vegans e vegetarianos

Com uma casca espinhosa e verde e uma polpa de cheiro doce e marcante, a avantajada jaca transformou-se de árvore frutífera comum no quintal das casas na costa sul da Índia a substituta preferida da carne para vegans e vegetarianos um pouco por todo o Ocidente.

Durante séculos, a jaca fez parte da dieta dos povos do sul da Ásia e chegou a ser tão abundante que toneladas da fruta iam parar ao lixo todos os anos. Mas agora, a Índia, a maior produtora de jaca do mundo, está a fazer dinheiro com a crescente popularização do fruto, que é cada vez mais apreciado como uma alternativa à carne. A jaca tem sido promovida por chefs de alguns dos principais hubs gastronómicos do planeta pelo facto de ter uma textura similar à da carne de porco quando a fruta ainda está verde: “Há um grande interesse do exterior. A nível internacional, o interesse pela jaca tem crescido de forma extraordinária”, explica à AFP Varghese Tharakkan na sua plantação em Thrissur, no Estado de Kerala.

A fruta, que pesa, em média, cinco quilos, tem uma polpa amarelada e viscosa quando está madura e pode ser comida ao natural ou usada para fazer bolos, sumos, gelados e snacks.

Verde, pode ser temperada com caril ou frita, moída e salteada. No Ocidente, a jaca fatiada se tornou uma alternativa popular à carne de porco desfiada e é usada, inclusive, como cobertura de pizzas: “As pessoas adoram”, conta Anu Bhambri, que tem uma rede de restaurantes nos Estados Unidos e na Índia. “Os tacos de jaca fazem sucesso em qualquer lado. A costeleta de jaca é um dos meus pratos favoritos”, complementa.

James Joseph deixou o emprego como diretor da Microsoft depois de perceber que o interesse no Ocidente pela jaca estava “a ganhar impulso como uma alternativa vegan à carne”.

Carne alternativa

Joseph explica que a crise de saúde pública despoletada pelo novo coronavírus despertou dois picos de interesse junto dos consumidores: “O coronavírus gerou o temor de consumir frango e as pessoas mudaram para a jaca macia. Em Kerala, o confinamento produziu um aumento na procura de jaca madura e de sementes, devido à falta de vegetais provocada pelas restrições nas fronteiras”, acrescenta.

O interesse mundial no veganismo já tinha disparado antes da pandemia, estimulado por movimentos como Segunda sem Carne e ou a iniciativa Veganuário e com o negócio das “carnes alternativas”.

Preocupações com a saúde e o meio ambiente – um relatório da ONU de 2019 sugeria que a adopção de uma dieta mais baseada em plantas poderia ajudar a mitigar as mudanças climáticas – levou os consumidores a procurarem marcas como a Impossible ou a Beyond Meat para reproduções com base vegetal das carnes de frango, bovina e suína.

Mas os consumidores também estão a usar substitutos tradicionalmente populares na Ásia, como o tofu, a base de soja, e o tempeh, o seitan e agora a jaca.

O ‘boom’ fez com que as plantações de jaca se espalhassem pelo estado de Kerala:

“A textura é muito parecida à da carne e, a exemplo do que sucede com a carne, a jaca absorve os temperos e é isto que explica a súbita popularidade”, adianta Joseph.

A empresa que criou vende farinha de jaca, que pode ser misturada ou usada como alternativa à farinha de trigo ou de arroz para fazer hambúrgueres ou o tradicional idli, um tipo de bolinho indiano.

Joseph trabalhou com o Serviço de Pesquisa de Índice Glicêmico da Universidade de Sydney para compreender que benefícios pode a jaca ter em termos de saúde: “Quando fizemos a análise nutricional, descobrimos que a jaca é uma refeição melhor do que o arroz e o roti (tipo de pão) para uma pessoa comum que queira controlar o açúcar no sangue”, complementa.

A Índia tem uma das mais elevadas taxas de diabetes do mundo e, segundo um estudo da revista científica The Lancet, deve chegar a 100 milhões de casos em 2030.

Os segredos do sucesso

Enquanto o aquecimento global semeia o caos na agricultura, especialistas na área da nutrição afirmam que a jaca pode emergir como um cultivo básico nutritivo, pois é resistente a secas e exige pouca manutenção.

Tharakkan não pensou duas vezes quando foi instado a substituir a produção de seringueiras pela jaca nos seus terrenos. O produtor cultiva uma variedade que frutifica durante o ano inteiro: “Quando cortei as seringueiras, todos tinham pensado que eu tinha ficado maluco. São essas mesmas pessoas que me perguntam agora qual é o segredo do meu sucesso”, sorri.

Só em Tamil Nadu e Kerala, no sudeste da Índia, a procura por jaca agora é de 100 toneladas por dia durante a época alta e rende uma facturação de US$ 19,8 milhões por ano, afirma o professor de economia S. Rajendran, do Instituto Rural Gandhigram.

Mas outros países como o Bangladesh e a Tailândia já despontam como concorrentes. A recente fama internacional da jaca representou uma reviravolta para um fruto que, embora fosse usado em pratos tradicionais, foi vista durante muito tempo como um fruto dos pobres. Cada árvore pode produzir entre 150 a 250 frutos por temporada.

Em Kerala, de onde o nome jaca é provavelmente oriundo – “chakka”, Tharakkan lembra que não era incomum ver avisos em jardins privados para que as pessoas levassem as frutas de graça porque eram tão abundantes que poderiam simplesmente apodrecer e atrair moscas.

Enquanto os produtores de jaca da Índia – assim como o sector agrícola em geral – foram afectados em todo o país quando o confinamento reduziu os trabalhos e os transportes, a  procura internacional não dá sinais de diminuição.

Sujan Sarkar, chef executivo dos restaurantes Bhambri, em Palo Alto, na Califórnia, acredita que até os carnívoros se estão se a render à jaca: “Não são apenas os vegetarianos ou vegans, até mesmo os carnívoros gostam”, acrescentou.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.