China vai injectar dois biliões de yuans na economia para amenizar a crise

A República Popular da China anunciou esta sexta-feira uma série de medidas para revitalizar a sua economia no contexto da crise provocada pelo surto do novo coronavírus. Pela primeira vez, Pequim não estabeleceu, no entanto, uma meta de crescimento.

Primeiro país mundo a ser afectado pelo coronavírus, a China conseguiu aparentemente controlar a pandemia no seu território, mas as consequências para a economia prefiguram-se duradouras e imprevisíveis.

Pela primeira vez, na abertura da sessão anual da Assembleia Nacional Popular, o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, não estabeleceu uma meta de crescimento específica, quebrando assim o que era visto como uma tradição em termos de ordenamento económico do regime comunista.

“O nosso país vai enfrentar certos factores difíceis de prever” por causa da pandemia de COVID-19 que paralisa o planeta e sobrecarrega a economia mundial, disse Li num discurso de cerca de uma hora proferido no Palácio do Povo, em Pequim.

O poder chinês é “cauteloso com o futuro”, porque “acredita que a recuperação será lenta e incerta”, estima Song Hou- ze, do grupo de reflexão MarcoPolo, especializado na economia chinesa.

O país “enfrenta desafios sem precedentes  em termos de desenvolvimento e que ainda vão durar algum tempo”, afirmou o primeiro-ministro chinês.

Não bastasse a crise do novo coronavírus,  sobre Pequim pairam as ameaças do presidente dos Estados Unidos da América de impor novas tarifas para que a China “pague” por ter, no entender de Donald Trump, ocultado o início da pandemia.

Pela primeira vez na sua história recente, o Produto Interno Bruto (PIB) da China afundou no primeiro trimestre (-6,8 por cento), devido aos efeitos do vírus. A pandemia paralisou quase completamente a actividade económica no país.

O crescimento já tinha caído em 2019 para 6,1 por cento, seu pior registo em quase 30 anos, coincidindo com a guerra comercial com os Estados Unidos da América.

Apesar da retomada gradual da actividade, as empresas não conseguem recuperar a demanda, num contexto em que seus principais clientes, na Europa e na América do Norte, estão paralisados pelo vírus e em que o consumo doméstico está a diminuir.

Para apoiar a economia, o Estado deixou o défice crescer até  aos 3,6 por cento do PIB (face a 2,8 por cento no ano passado). O deficit deverá aumentar em um bilião de yuans (128 bilhões de euros), de acordo com Li Keqiang.

“Se a situação [económica] for realmente má, a República Popular da China poderá aumentar ainda mais o seu défice orçamental”, diz o analista Tommy Xie, do banco OCBC.

Nesta semana, o “Global Times”, um jornal em  língua inglesa pertencente ao grupo do “Diário do Povo”, disse que o défice poderá chegar aos oito por cento do PIB.

O primeiro-ministro também anunciou um reforço de um bilião de yuans em  títulos de dívida específicos (“coronabonds”) para responder à pandemia.

Este total de dois biliões de yuans (256 mil milhões de euros) será investido no apoio à criação de empregos e será destinado exclusivamente às autoridades locais, para que possam dar prioridade à criação de oportunidades de trabalho.

A atual taxa de desemprego é de 6 por cento e, em Fevereiro, atingiu um recorde de 6,2 por cento. Este número reflecte apenas a situação nas zonas urbanas, porém, e exclui milhões de trabalhadores migrantes, em situação de extrema fragilidade, devido à pandemia.

As autoridades chinesas estão “extremamente preocupadas” com as consequências do vírus no emprego, diz Michael Pettis, professor de economia da prestigiada Universidade Tsinghua de Pequim.

Por isso, o governo está disposto a “financiar coisas inúteis”, como infra-estruturas supérfluas, apartamentos que ficarão vazios, “para impedir o aumento do desemprego”, aponta Pettis.

O primeiro-ministro chinês também tirou o véu a um grande plano de investimento em infra-estruturas do “futuro” no valor de 3,75 biliões de yuans (481 mil milhões de euros), que visa, entre outros aspectos, a implantação da rede de Internet móvel 5G.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.