Dez de Junho. Camões sem coroa e comunidade sem croquete

A pandemia de Covid-19 levou as autoridades consulares e a comissão organizadora das comemorações do 10 de Junho a abrir mão de dois dos momentos mais emblemáticos das celebrações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas em Macau. Este ano, as celebrações protocolares ficam-se pela cerimónia do hastear da bandeira, nas instalações do Consulado. A romagem à gruta de Camões e a recepção à comunidade na Residência Consular não se vão realizar, foi esta quinta-feira anunciado.

A romagem à gruta de Camões e a recepção à comunidade na Residência Consular do Palácio da Bela Vista não integram esta ano o programa de comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, devido às restrições associadas ao surto epidémico do novo coronavírus.

A informação foi esta quinta-feira avançada pelo Cônsul-Geral de Portugal em Macau e Hong Kong, Paulo Cunha Alves,  na conferência de imprensa de apresentação do cartaz da edição de 2020 do “Junho, Mês de Portugal”, iniciativa que reflecte este ano “um contexto internacional afectado pela pandemia de covid-19”.

As celebrações protocolares do 10 de Junho em Macau ficam este ano reduzida a cerimónia do hastear da bandeira, que será antecipada em meia-hora: “Infelizmente este ano, devido ao contexto de pandemia, não vai ser possível organizar a habitual romagem à gruta de Camões e o mesmo acontece com a recepção à comunidade na Residência Consular”, explicou Paulo Cunha Alves.

O Cônsul-Geral de Portugal em Macau e Hong Kong adiantou ainda que, num contexto pautado pelo surto epidémico, as autoridades consulares procuraram seguir as recomendações da Direcção dos Serviços de Saúde, nomeadamente no que diz respeito a ajuntamentos e multidões: “Esta decisão vai, obviamente, ao encontro das medidas de contingência adoptadas pelas autoridades locais, no sentido de evitar multidões, respeitando as indicações das autoridades de saúde da RAEM”, assume o diplomata.

Paulo Cunha Alves explicou ainda que a participação na cerimónia do hastear da bandeira, no jardim das instalações do Consulado de Portugal em Macau e Hong Kong estará dependente da utilização de máscara e da submissão a procedimentos de medição de temperatura.

As mesmas medidas deverão ser adoptadas no âmbito das iniciativas que integram o programa da edição de 2020 do “Junho, Mês de Portugal”, com a comissão organizadora das celebrações a indicar que para alguns dos eventos deverá ser definida uma lotação máxima:  “Na Cinemateca só poderão estar 27 pessoas, não mais. E mesmo na Casa Garden temos capacidade para 90 pessoas, mas não vamos poder receber 90 pessoas. O mesmo vai acontecer com o concerto que integra o cartaz. Vamos ter que ter estas contingências em conta e impor algumas limitações”, explicou Ana Paula Cleto, delegada da Fundação Oriente em Macau. Para além do Consulado Geral de Portugal em Macau e Hong Kong, a comissão organizadora do “Junho, mês de Portugal” integra ainda a Casa de Portugal, a Fundação Oriente, o Instituto Português do Oriente e a representação de Macau da AICEP – Portugal Global.

O cartaz deste ano do “Junho, Mês de Portugal”, que decorre entre 4 e 28 de Junho, integra uma dezena de eventos, em domínios como a música, a pintura, a literatura, a poesia, o teatro de marionetas ou o cinema. A sétima arte é, no entanto, a principal aposta, com a exibição no território de filmes que integraram o cartaz do “Indie Lisboa” e do “New York Portuguese Short Film Festival”, para além de uma sessão de cinema de animação dedicada aos mais novos.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.