Tiananmen. PSP recusa autorização para organização de vigília

As forças de segurança do território negaram esta quarta-feira provimento à União para o Desenvolvimento da Democracia, dos deputados Au Kam San e Ng Kuok Cheong, para a realização da tradicional vigília anual com que as vítimas do massacre da Praça da Paz Celestial são recordadas. A informação foi avançada pelo Corpo de Polícia de Segurança Pública à emissora em língua portuguesa da Rádio Macau.

A PSP justificou a decisão com o que diz ser “as actuais circunstâncias” e as estratégias de prevenção da disseminação do novo tipo de coronavírus. No início do mês, o Instituto para os Assuntos Municipais fez uso do mesmo argumento para não autorizar a realização de uma exposição fotográfica evocativa dos trágicos acontecimentos de 4 de Junho de 1989, quando o exército chinês carregou sobre estudantes e manifestantes que pediam, na maior praça da capital chinesa, maior abertura política ao regime comunista.

O pedido para a realização de uma vigília, iniciativa que se repete no Largo do Senado desde há quase três décadas, foi apresentada pela União para o Desenvolvimento da Democracia.

O território não regista qualquer novo caso de infecção há mais de quarenta dias e na terça-feira, depois da última paciente internada no Centro Hospitalar Conde de São Januário ter recebido alta, Lei Chin Ion, director dos Serviços de Saúde, considerou que o risco de contágio no território é reduzido. Na resposta que enviou à Rádio Macau, o Corpo de Polícia de Segurança Pública lembra que o Governo continua a aconselhar a população a evitar grandes ajuntamentos.

Também em declarações à emissora pública de radiodifusão, o deputado Ng Kuok Cheong considerou que o indeferimento da autorização para a realização da vigília não é mais do que um reflexo do caminho que Pequim quer incutir a Macau e a Hong Kong: “Eu não esperava esta decisão, mas era, de facto, um dos resultados antecipados, porque em Hong Kong também aconteceu o mesmo. Acho que a razão dada para negar a vigília é irracional, mas vai na direcção que o Governo Central quer para Hong Kong e Macau”, afirma.

Na terça-feira, as autoridades da vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong estenderem por mais catorze dias a decisão de proibir ajuntamentos públicos com mais de oito pessoas. A iniciativa inviabiliza efectivamente a vigília que todos os anos junta dezenas de milhares de pessoas no Parque Vitória.

Esta quarta-feira, a União para o Desenvolvimento da Democracia reúne-se para avaliar uma resposta à decisão do Corpo de Polícia de Segurança Pública. De acordo com Ng Kuok Cheong, os membros do organismo vão avaliar se avançam ou não com um recurso para o Tribunal de Última Instância. No início do mês, Au Kam San aventava a possibilidade da União para o Desenvolvimento da Democracia poder vir a pedir à polícia o direito a reunião caso a autorização para conduzir a vigília não fosse concedida. Os responsáveis pela vigília poderão, em alternativa, vir simbolicamente a sentar-se, dado que “não há regulamentação que impeça um cidadão de se sentar numa área pública”, disse o deputado à agência Lusa.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.