“Cebolinha-gate”. Pequim exige a Brasília que se retrate

As autoridades chinesas exigiram uma retratação do Brasil após um comentário do ministro da Educação brasileiro que o país asiático descreveu como “fortemente racista” e que disse causar “influências negativas” nas relações entre os dois países.

“O lado chinês aguarda uma declaração oficial do lado brasileiro sobre as palavras do Ministro da Educação, membro do Governo brasileiro. Estamos cientes de que nossos povos estão do mesmo lado para resistir a palavras racistas e salvaguardar nossa amizade”, escreve o embaixador da China em Brasília, Yang Wanming, numa publicação na rede social Twitter relativo a um protesto oficial da embaixada chinesa.

A discórdia foi causada por uma mensagem do ministro da Educação brasileiro, Abraham Weintraub, que usou a personagem Cebolinha da banda desenhada “Turma da Mónica” para sugerir que a pandemia do novo coronavírus faz parte de um “plano infalível” da China para dominar o mundo: “Geopoliticamente, quem podeLá saiL foLtalecido, em teLmos Lelativos, dessa cLise mundial? PodeLia seL o Cebolinha? Quem são os aliados no BLasil do plano infalível do Cebolinha paLa dominaL o mundo? SeLia o Cascão ou há mais amiguinhos?”, escreveu Weintraub, este domingo, na sua conta na rede social Twitter.

Cebolinha, uma das personagens infantis mais populares do Brasil, tem problemas de dicção e troca a letra “r” pela letra “l” ao falar, algo que é atribuído aos chineses quando tentam falar português. O ministro apagou depois a mensagem no domingo.

Num comunicado oficial, também publicado no Twitter, a embaixada da China sustentou que o governante brasileiro, “ignorando a posição defendida pelo lado chinês em vários esforços, fez declarações difamatórias contra o país nas redes sociais e estigmatizou Pequim ao associá-lo à origem da covid-19”: “Deliberadamente elaboradas, essas declarações são totalmente absurdas e desprezíveis, têm um selo fortemente racista e objectivos indizíveis e causaram influências negativas no desenvolvimento saudável das relações bilaterais”, acrescentou a nota da embaixada chinesa.

A delegação diplomática do país asiático expressou “forte indignação e repúdio à atitude” do ministro da Educação e instou “algumas pessoas no Brasil” a “imediatamente corrigir os erros cometidos e suspender suas acusações infundadas contra a China”.

No final de Março, Eduardo Bolsonaro, filho do Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, acusou a República Popular da China de ter gerado a crise ao esconder informações sobre a disseminação do novo coronavírus, que causa o covid-19.

Uma mensagem publicada no Twitter pelo filho do Presidente brasileiro dizia que “aqueles que assistiram [à série de televisão] ‘Chernobyl’ entenderão o que aconteceu. Substitua a usina [central] nuclear pelo coronavírus e a ditadura soviética pelos chineses. (…) Uma ditadura preferia esconder algo sério do que expô-la com desgaste, mas isso salvaria inúmeras vidas. (…) A culpa é da China e a liberdade seria a solução”, escreveu, então.

Na ocasião, o embaixador chinês expressou “repúdio” e “indignação” pelas declarações de Eduardo Bolsonaro e exigiu desculpas, mas nem ele nem o Ministério das Relações Exteriores do Brasil se retrataram oficialmente.

O chefe da diplomacia brasileira, Ernesto Araújo, esclareceu que Eduardo Bolsonaro não representa o Governo brasileiro e exigiu uma retratação do embaixador pela sua reacção enérgica às declarações do filho do Presidente brasileiro, que ele considerou “inaceitáveis”.

Jair Bolsonaro, por sua vez, preferiu atenuar a controvérsia e garantiu que as declarações de seu filho não causaram nenhuma crise diplomática, adiantando ter conversado com as autoridades chinesas sem que o assunto fosse mencionado.

O último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde brasileiro no domingo indicou o país teve 486 mortes causadas pela covid-19 e já confirmou 11.130 casos da doença.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia de covid-19, já infectou mais de 1,2 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 70 mil.

Dos casos de infecção, mais de 240 mil são considerados curados.

Depois de surgir na República Popular da China, em Dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.