Coronavírus. Perda do olfacto e de paladar são sintomas comuns na Europa

A perda do olfacto e do paladar são sintomas frequentes nas pessoas afectadas pelo novo coronavírus na Europa, de acordo com um estudo coordenado por dois médicos otorrinolaringologistas ligados à Universidade de Mons, na Bélgica.

Este trabalho, realizado em cerca de 417 pacientes infectados (263 mulheres e 154 homens) com o novo coronavírus, mas de forma “não severa”, mostra que 86 por cento apresenta problemas de olfacto (a maioria não sente mais nada) e que 88 por cento tem problemas de paladar.

Os problemas olfactivos surgem, normalmente, ao mesmo tempo do que os sintomas gerais da doença (tosse, dores musculares, perda de apetite e febre) e os sintomas otorrinológicos (dores faciais, nariz entupido).

Mas, por vezes, a perda do olfato ou do paladar ocorre depois dos outros sintomas (em 23 por cento dos casos) ou antes (em 12 por cento dos casos analisados).

Sem explicação aparente, as mulheres são mais sujeitas à perda do olfacto do que os homens. O estudo indica que quase metade dos indivíduos (44 por cento) recuperou o olfato, num prazo relativamente curto de 15 dias.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infectou mais de 940.000 pessoas em todo o mundo, das quais mais de 47.000 morreram. Dos casos de infecção, cerca de 180.000 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em Dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com mais de 508.000 infectados e mais de 34.500 mortos, é aquele onde se regista o maior número de casos. Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 13.155 óbitos, em 110.574 casos confirmados até quarta-feira.

Em Portugal, de acordo com o balanço feito na quinta-feira pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 209 mortes, mais 22 do que na quarta-feira (+11,8 por cento ), e 9.034 casos de infecções confirmadas, o que representa um aumento de 783 em relação à véspera (+9,5 por cento).

Dos infectados, 1.042 estão internados, 240 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 68 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 2 de Março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de Março, tendo a Assembleia da República aprovado um prolongamento até ao final do dia 17 de Abril.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.