Taiwan vai doar dez milhões de máscaras à União Europeia e aos EUA

Taiwan prometeu esta quarta-feira doar 10 milhões de máscaras aos países mais afectados pelo novo coronavírus, incluindo países membros da União Europeia e os Estados Unidos da América. Assegurando que o território travou a propagação do vírus, a Presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, defendeu que a pandemia nunca terminará a menos que seja contida a nível global.

“No estágio anterior, formámos uma equipa nacional, e agora precisamos de uma acção concertada a nível internacional para combater a pandemia”, disse Tsai.

A líder taiwanesa anunciou a doação de 10 milhões de máscaras como parte daquele esforço, entre as quais sete milhões serão destinadas à União Europeia, sobretudo aos países mais afectados, para além do Reino Unido e da Suíça.

A doação é três vezes superior ao valor prometido pela República Popular da China à União Europeia.

China e Taiwan vivem como dois territórios autónomos desde 1949, altura em que o antigo governo nacionalista chinês se refugiou na ilha, após a derrota na guerra civil frente aos comunistas. Taiwan tornou-se, entretanto, numa democracia com uma forte sociedade civil, mas Pequim considera a ilha parte do seu território e ameaça a reunificação pela força.

A resposta de Taiwan ao surto tem servido para afirmar o território como um dos Estados que melhor preveniu a doença.

Embora a União Europeia tenha aderido ao princípio “Uma Só China” e não tenha relações políticas diplomáticas ou formais com Taiwan, mantém um “diálogo estruturado” com Taipé.

A União Europeia ainda aguarda a chegada de uma remessa de dois milhões de máscaras cirúrgicas, 200.000 máscaras de protecção respiratória N95 e 50.000 kits de testes de coronavírus da China, anunciados em 18 de Março pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

A Comissão disse na terça-feira que os suprimentos seriam enviados “nos próximos dias” para Itália, o país europeu mais afectado pela Covid-19.

Excluído da Organização Mundial da Saúde por insistência de Pequim, Taipé quer agora usar o seu sucesso na contenção do vírus para impulsionar a cooperação internacional, especialmente com “países com ideias semelhantes”, como as democracias ocidentais.

Com cerca de 23 milhões de habitantes, entre os quais mais de um milhão a viver e a trabalhar na República Popular da China, Taiwan contabiliza apenas 322 casos de infecção pelo novo coronavírus, a grande maioria importados do exterior.

A Academia Sinica, a principal instituição de investigação científica de Taiwan, realizou em 18 de Março uma videoconferência sobre a crise do coronavírus com funcionários de várias instituições da União Europeia.

No mesmo dia, as autoridades de Taiwan assinaram um acordo com o Instituto Americano em Taiwan, a representação diplomática informal de Washington em Taipé, para a cooperação no combate contra o vírus.

A República Popular da China criticou o acordo como “uma conspiração política para conseguir a independência com a ajuda da epidemia”.

O acordo inclui a promessa de que Taiwan fornecerá 100.000 máscaras de protecção respiratória por semana aos Estados Unidos da América  em troca de materiais para a produção de fatos de protecção.

Taipé anunciou ainda um acordo com a Austrália, segundo o qual Camberra fornecerá o álcool necessário para a produção de desinfetante para as mãos em troca de tecidos produzidos em Taiwan para a produção de máscaras.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.