Com a Humanidade confinada, a Natureza reclama o que é seu

Fotografia: Um Puma é fotografado nas ruas de Santiago do Chile, a 24 de Março;

Pássaros a cantar a viva voz, javalis em correria pela cidade e golfinhos de regresso às zonas costeiras. O confinamento deu aos animais carta branca para reclamar antigos territórios. Já os humanos têm mais tempo para observar a natureza.

Nos primeiros dias de confinamento devido ao novo coronavírus, os moradores de algumas das maiores cidades do planeta redescobriram algo a que nunca tinham prestado grande atenção: o canto dos pássaros. Javalis foram vistos nas ruas de Barcelona e um puma selvagem percorreu as avenidas desertas de Santiago do Chile.

Com o declínio brutal da presença humana nas ruas, os animais selvagens que habitam em habitats urbanos “têm caminho livre para passear pelas cidades”, defendeu Romain Julliard, director de investigação do Museu Nacional de História Natural de Paris, em declarações à AFP.

Julliard cita o exemplo das raposas. Estes animais “mudam o seu comportamento muito rapidamente e quando um espaço fica vazio, eles reclamam-no”, diz.

Mas as raposas não são caso único. Animais e pássaros que vivem em parques urbanos, como pardais, pombos e corvos, podem deixar o seu território habitual e “libertar espaço para outros animais”.

Quanto aos pássaros, não é que existam mais, mas a paralisação das cidades deixou margem de manobra para que o seu canto se faça ouvir de novo. Alguns pássaros “param de cantar quando há barulho. Agora cantam novamente”, explica Jérôme Sueur, especialista em acústica do Museu Nacional de História Natural.

Cautela no final da quarentena

O confinamento dos seres humanos coincide, para certas espécies, com o período de acasalamento. É o caso do sapo-comum e da salamandra-malhada, que “são frequentemente atropelados quando atravessam as ruas”, explica Jean-Noël Rieffel, director regional do Gabinete Francês de Biodiversidade.

No Parque Nacional das Calanques, perto de Marselha, no sudeste da França, fechado ao público devido à epidemia, “a natureza e os animais estão a regressar às suas áreas naturais a uma velocidade surpreendente”, conta o presidente Didier Réault.

O mesmo vale para as plantas. As orquídeas selvagens e protegidas crescem no final de Abril/início de Maio e por vezes são recolhidas pelos visitantes, critica Jean-Noël Rieffel. Este ano podem crescer em paz.

Na cidade, os relvados crescem e oferecem “recursos para abelhas e borboletas”, lembra Romain Julliard.

Para o investigador, “talvez o fenómeno mais importante seja a possibilidade de que a nossa maneira de ver a natureza possa ter mudado: confinadas, as pessoas estão a perceber o quanto sentem falta da natureza”. Confinadas em suas casas, as pessoas têm mais tempo para observar a natureza a partir da janela ou do próprio jardim.

No entanto, o confinamento dos humanos é uma má notícia para as espécies acostumadas a se alimentar dos resíduos criados pelo Homem.

Outra desvantagem é que as operações para ajudar espécies ameaçadas de extinção ou combater espécies invasoras estão interrompidas, diz Loïc Obled, director-geral adjunto do Gabinete Francês de Biodiversidade.

Também será necessário gerir com cuidado o final da quarentena: “As pessoas vão querer estar próximas da natureza, mas um excesso pode ser desfavorável para a fauna e a flora”, sublinha Jean-Noël Rieffel.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.