China apoia Paquistão com mantimento e pessoal médico

A República Popular da China enviou este sábado um avião com mantimentos e pessoal médico para apoiar o combate à propagação da covid-19 no Paquistão, onde existem 1.408 casos confirmados e 11 vítimas mortais, informaram as autoridades da república islâmica.

O reforço do auxílio da República Popular da China, que na semana passada enviou para Islamabad ventiladores, máscaras e material médico, surge na altura em que crescem as críticas ao Governo paquistanês pela maneira “branda” como estará a combater a pandemia

Apesar de ter fechado as fronteiras com o Afeganistão e o Irão, um dos países mais afectados do mundo pelo coronavírus, o Paquistão autorizou a realização, em Lahore, de um encontro de dezenas de milhares de clérigos islâmicos de todo o mundo, durante três dias.

Pelo menos 200 clérigos acabaram a cumprir quarentena num campo nos arredores da cidade, e há registo de diversos infectados que regressaram aos respectivos países, nomeadamente na faixa de Gaza, Palestina.

O Paquistão continua também a permitir a realização de cerimónias religiosas que atraem às mesquitas milhares de pessoas, por não querer entrar em conflito com os clérigos conservadores.

A proximidade do Irão, onde há mais de 35 mil infectados e 2.157 vítimas mortais, parece ser agora a grande preocupação do governo paquistanês, que ainda não avançou com o “lockdown” (encerramento) do país, como tem sido reclamado pelas autoridades de saúde pública internacionais.

A República Popular da China tem sido o principal apoio internacional destes países, no âmbito do projecto ‘One Belt, One Road’, enviando material, mantimentos e profissionais de saúde, um apoio que a comunidade internacional segue com alguma desconfiança, devido aos planos chineses para a região.

O projeto chinês ‘One Belt, One Road’ (OBOR) procura desenvolver redes de cooperação, comércio e infra-estruturas entre a Ásia, África e Europa através da criação de uma faixa económica da Rota da Seda e de uma Rota Marítima da Seda.

Apresentado em 2013, o projecto tem levado a China a implantar-se como a principal potência comercial, através da assinatura de contratos de cooperação com os países destas regiões.

À medida que a pandemia avança pelo Médio Oriente, sul da Ásia e norte de África, tem crescido na comunidade internacional a dúvida se as estruturas de saúde pública de alguns países terão capacidade para dar uma resposta mínima, tendo em conta a instabilidade económica, crises de refugiados e até guerras que têm atingido estas regiões ao longo dos anos.

Na Líbia, por exemplo, o sistema de saúde está à beira do colapso após sucessivos conflitos armados, apesar de até agora só haver confirmação oficial de um infectado.

O embaixador americano em Tripoli, Richard Norland, apelou aos grupos em conflito que deponham armas e se unam para ajudar o país a enfrentar a propagação do coronavírus.

Também na faixa de Gaza há apenas nove casos registados de infecção, mas as estruturas de saúde pública são frágeis devido ao conflito armado e ao controlo apertado da fronteira imposto por Israel após a tomada do poder pelo Hamas, em 2007.

O Iémen é outro país dilacerado pela guerra entre os rebeldes Houthis e a coligação liderada pelos sauditas. Nesta guerra morreram já 100 mil pessoas e foram desalojadas centenas de milhares de pessoas.

O mesmo sucede no Sudão, onde a economia e as estruturas de saúde foram desmanteladas por sucessivos conflitos que mataram e desalojaram milhares de pessoas.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infectou mais de 600 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram quase 28.000.

Dos casos de infecção, pelo menos 129.100 são considerados curados.

Depois de surgir na República Popular da China, em Dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.