Coronavírus. Discurso do ódio contra a China e os chineses dispara nas redes sociais

A pandemia do novo coronavírus gerou um aumento de 900 por cento nas mensagens de ódio contra a República Popular da China, onde a doença foi detectada pela primeira vez e contra os chineses em geral no Twitter. As conclusões são de um estudo israelita esta sexta-feira divulgado.

“As pessoas passam cada vez mais tempo nas redes sociais e em aplicação de mensagens e de jogos, e os problemas endémicos nessas plataformas, como o ódio, o abuso, a toxicidade e a intimidação, acentuaram-se”, assinala a empresa L1ght, com sede em Israel, nas conclusões de um estudo ontem apresentado.

“De acordo com os nossos dados, boa parte desse ódio e abuso está direccionado para a China e para a sua população, bem como para indivíduos de origem asiática que residem noutras partes do mundo”, acresenta a empresa. A startup faz uso da inteligência artificial para detectar conteúdo maléfico nas redes sociais.

A L1ght indica que, embora as redes sociais também tenham servido para compartilhar histórias inspiradoras, também espalham mensagens carregadas de ódio: “Os tweets tóxicos usam uma linguagem explícita para acusar os asiáticos de serem portadores do novo coronavírus e culpar as pessoas de origem asiática em seu conjunto pela propagação do vírus”, aponta o estudo.

De acordo com o texto, muita gente usa hashtags racistas, como #Kungflu, #chinesevirus e #communistvirus quando “tweeta” sobre a pandemia. O tráfego em sites de ódio cresceu cerca de 200 por cento, de acordo com o relatório, que aponta alguns meios de comunicação como incentivadores deste tipo de reacção contra os asiáticos.

O estudo cita um vídeo do canal Sky News Australia intitulado “A China infligiu voluntariamente o coronavírus ao mundo”, que “gerou milhares de comentarios, a maioria deles tóxicos e de ódio”.

O relatório coincide com os alertas feitos por grupos de direitos humanos, activistas e políticos nos Estados Unidos da América sobre um aumento do número de incidentes racistas dirigidos aos asiáticos que vivem no país.

De acordo com os críticos, as repetidas referências do presidente Donald Trump à Covid-19 como o “vírus chinês” também fomentaram reparos xenófobos.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.