Alemanha. Investigadores identificam bactéria capaz de degradar plástico

Cientistas alemães identificaram um microrganismo que pode ajudar a degradar o plástico feito de poliuretano, ingerindo compostos orgânicos do plástico. A descoberta foi na sexta-feira divulgada na revista científica Fronteiras da Microbiologia.

Os investigadores explicam na revista que identificaram e caracterizaram uma espécie de bactérias que são capazes de degradar alguns dos componentes químicos do poliuretano, um polímero encontrado em objectos que vão de carpetes a preservativos.

“As bactérias podem usar esses compostos como uma única fonte de carbono, nitrogénio e energia”, disse Hermann Heipieper, cientista do Centro Helmholtz de Investigação Ambiental – UFZ, em Leipzig, na Alemanha, um dos autores do artigo da revista.

Em 2015 só os produtos de poliuretano representaram 3,5 milhões de toneladas de plásticos produzidos na Europa. O poliuretano é usado em variados objectos e na construção das próprias casas, devido às suas propriedades leves, isolantes e flexíveis. Está em frigoríficos, nas esponjas de lavar a loiça, nos sapatos ou nos móveis.

No entanto é difícil de reciclar e destruir, já que na maioria dos casos não derrete quando é aquecido, e acaba em aterros, onde liberta uma série de produtos químicos, alguns deles considerados cancerígenos.

A equipa de investigadores alemães conseguiu isolar uma bactéria, – Pseudomonas sp.TDA1 – de um local rico em resíduos de plástico quebradiço, mostrando que pode ser possível atacar algumas das ligações químicas que compõem o poliuretano.

A investigação faz parte de um programa científico da União Europeia chamado P4SB, que consiste em procurar micro-organismos úteis que possam biodegradar plásticos.

Além do poliuretano os cientistas estão também a testar a eficácia dos micróbios na degradação de outros tipos de plástico, como os materiais feitos de tereftalato de polietileno (PET), o mais conhecido dos compostos plásticos, dada a sua prevalência nas vulgares garrafas de água.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.