Indonésia. Médicos dizem que número real de vítimas é muito superior

O sindicato dos médicos da Indonésia disse esta sexta-feira que as vítimas da pandemia da covid-19 no país são muito superiores às estatísticas oficiais e o número está a crescer, considerando que a estratégia do Governo está “a falhar”.

A Indonésia, que tem 260 milhões de habitante – o quarto país mais populoso do mundo –  não detectou os primeiros casos de infecção até ao início de Março mas, hoje, o número de infectados já ultrapassavam os mil, apesar de os testes continuarem a ser raros: “A estratégia do Governo falhou e parece descartar a possibilidade de optar por confinamento da população”, lamentou o porta-voz da associação de médicos indonésios, Halik Malik.

“O nosso sistema de saúde não é tão sólido como o de outros países”, alertou.

Jacarta confirmou 87 mortes atribuídas à pandemia covid-19, uma das mais altas taxas de mortalidade do mundo, o que pode ser explicado pelo baixo número de testes realizados sobretudo a pessoas gravemente doentes.

De acordo com um estudo da Escola de Higiene e Doenças Tropicais de Londres, os casos de infecção na Indonésia parecem estar muito subestimados.

As autoridades de Saúde da Indonésia estimam que 700.000 pessoas podem ter sido infectadas desde o início da epidemia. O número de testes realizados até agora tem sido muito limitado em comparação com outros países.

As autoridades disseram ter testado 2.300 pessoas antes de deixar de publicar números nacionais.

Apesar das críticas, o Governo não quis impor um confinamento estrito no país, nem na capital, uma megalópole onde vivem 30 milhões de pessoas e que concentra a grande maioria dos casos.

A embaixada canadiana na Indonésia alertou que “a situação da covid-19 na Indonésia é muito séria e está a deteriorar-se rapidamente”, apelando aos seus nacionais para que deixem o país: “O sistema de saúde na Indonésia ficará em breve sobrecarregado. O número final de mortes será muito alto”, referiu a embaixada numa mensagem enviada esta semana aos seus cidadãos.

O arquipélago da Indonésia tem menos de quatro médicos por cada 10.000 pessoas, de acordo com dados de 2017 da Organização Mundial da Saúde.

A vizinha Malásia tem 15 e a Austrália 35 para cada 10.000 habitantes.

Vídeos compartilhados nas redes sociais mostram médicos a protestar contra a falta de equipamentos de protecção e de ventiladores e a ameaçar entrar em greve.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infectou cerca de 540 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 25 mil.

Dos casos de infecção, pelo menos 112.200 são considerados curados.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.