FC Barcelona reduz salários para minimizar impacto da pandemia

O FC Barcelona vai avançar com uma redução salarial de todos os trabalhadores do clube, de forma a minimizar o impacto económico provocado pela pandemia do novo coronavírus, anunciou na sexta-feira o bicampeão espanhol de futebol.

“Perante o estado de emergência decretado em 14 de Março, devido à crise de saúde pública originada pelo coronavírus, suspendemos toda a nossa actividade, desportiva e administrativa. Por isso, a direção decidiu implementar uma série de medidas para reduzir os efeitos económicos desta crise”, refere o FC Barcelona, em comunicado divulgado no sítio oficial na Internet.

Entre as medidas decididas pelos responsáveis do clube catalão, no qual alinha o futebolista internacional português Nélson Semedo, destaca-se a “adaptação das obrigações contratuais dos trabalhadores, tendo em conta as novas e temporárias circunstâncias” provocadas pela pandemia de covid-19.

“Trata-se de uma redução do valor da compensação diária atribuída aos trabalhadores e, por conseguinte, a redução proporcional da remuneração prevista nos respectivos contratos de trabalho”, acrescenta o clube da Catalunha, salientando que vai “obedecer escrupulosamente às normas vigentes na lei do trabalho”.

A Espanha é o segundo país com maior número de mortes devido à pandemia, registando 4.089 vítimas mortais, entre 56.188 casos de infecção confirmados.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infectou mais 505 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram cerca de 23.000.

Depois de surgir na República Popular da China, em Dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com quase 275.000 infectados e 16.000 mortos, é aquele onde está a surgir actualmente o maior número de casos e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 8.165 mortos em 80.539 casos registados até quinta-feira.

Em Portugal, que está em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de Março e até às 23:59 de 2 de Abril, registaram-se 60 mortes e 3.544 infecções confirmadas, segundo o balanço feito pela Direcção-Geral da Saúde.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.