Filipinas. Nove médicos morreram, hospitais sobrelotados

Nove médicos morreram nas Filipinas devido ao novo coronavírus, declarou esta quinta-feira o responsável pelo Conselho Nacional dos Médicos, num momento em que os hospitais já estão sobrelotados e os profissionais carecem de equipamentos de protecção.

A morte dos médicos suscitou temores de uma crise na saúde mais séria e levantou dúvidas sobre os números de mortes comunicados pelas autoridades, que até ao momento são de apenas 38.

Mesmo após os 55 milhões de habitantes de Luzon, a maior ilha do arquipélago e onde está localizada a capital, Manila, entrarem na segunda semana de confinamento, os médicos relatam um aumento no número de casos do novo coronavírus.

Ao anunciar hoje a morte de um nono médico, o conselho dos médicos afirmou que os profissionais de saúde têm falta de meios de protecção: “Se dependesse de mim, primeiro seriam testados aqueles que estão em contacto directo com os doentes e voltaria a submetê-los a testes novamente após sete dias. Os médicos podem ser portadores” do vírus, disse o médico Benito Atienza, vice-presidente do Conselho Nacional dos Médicos à agência de notícias AFP.

Três grandes hospitais de Manila anunciaram na quarta-feira que atingiram a capacidade total e já não serão capazes de aceitar novas pessoas infectadas pelo novo coronavírus.

Centenas de médicos estão agora em quarentena por 14 dias após serem expostos a situações de risco, de acordo com os hospitais.

Na terça-feira, pouco menos de duas mil pessoas pessoas foram declaradas positivas para o novo coronavírus nas Filipinas, onde os testes são realizados em pessoas mais frágeis devido em particular ao seu estado de saúde ou idade, como também em pessoas com sintomas graves ou mulheres gravidas.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infectou perto de 450 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 20.000.

Depois de surgir na República Popular da China, em Dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial de Saúde a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com cerca de 240.000 infectados, é aquele onde está a surgir actualmente o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 7.503 mortos em 74.386 casos registados.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.