China suspende entrada de cidadãos estrangeiros no país

O Governo chinês anunciou esta quinta-feira que vai suspender temporariamente a entrada no país de cidadãos estrangeiros, incluindo quem possui visto ou autorização de residência, como medida de prevenção contra a propagação do novo coronavírus.

A medida abrange estrangeiros com visto de negócios ou estudo ou com autorização de residência por motivos de trabalho ou reunificação familiar, detalhou o Ministério dos Negócios Estrangeiros em comunicado: “A suspensão é uma medida temporária que a República Popular da China é obrigada a tomar à luz do surto e das práticas nos outros países”, lê-se na mesma nota.

A decisão, que entra em vigor à meia-noite de sábado [hora local], abrange ainda vistos de trânsito ou a isenção de visto por 30 dias na ilha de Hainan, no extremo sul do país.

A política de isenção de visto de 144 horas adoptada pela província de Guangdong para grupos de turistas estrangeiros oriundos de Hong Kong e de Macau também será temporariamente suspensa. O país continuará, no entanto, a permitir a entrada a estrangeiros com vistos diplomáticos ou de serviço.

O comunicado ressalva ainda que os estrangeiros que vierem à China para actividades económicas, comerciais, científicas ou tecnológicas ou por necessidades humanitárias de emergência poderão solicitar vistos nas embaixadas ou consulados chineses, ficando o processo dependente da avaliação pelas autoridades do país asiático.

A Administração Nacional de Aviação Civil da República Popular da China anunciou também que vai impor, a partir de domingo, uma redução drástica nos voos internacionais.

Em comunicado, a Administração informou que cada companhia aérea chinesa poderá realizar apenas uma ligação de ida e volta por semana para cada país. Também uma empresa estrangeira poderá voar apenas uma vez por semana para os seus destinos fora da China.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infectou mais 480 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 22.000.

Depois de surgir na China, em Dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com quase 260.000 infectados, é aquele onde está a surgir actualmente o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 7.503 mortos em 74.386 casos registados até quarta-feira.

A Espanha é o segundo país com maior número de mortes, registando 4.089, entre 56.188 casos de infecção confirmados até hoje.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.